Artigos

45 mil baleias caçadas. Comércio ou Tradição?

45 mil baleias caçadas. Comércio ou Tradição?

Baleias. Animais lindos, gigantes do mar, com sua imponência encantam quem as observa. Atualmente existem cerca de 40 espécies de baleia no mundo, como a Franca, Azul, Jubarte, Cinza, Cachalote, dentre outras. Porém o número de animais descritos sempre pode aumentar, ou diminuir, nesse caso.

Fonte de carne e gordura, a baleia começou a ser caçada por necessidade, especialmente em países de cultura oriental, como o Japão. Com as pressões de ONG’s ambientalistas e o avanço do entendimento sócio-ambiental, procura-se justificar a caça às baleias agora como uma tradição cultural.

Além da vantagem nutritiva das baleias, outros usos para sua carne e especialmente gordura foram descobertos ao longo dos anos. A gordura desses mamíferos, mais conhecido como óleo de baleia, foi muito utilizada para iluminação e lubrificação. O uso dos produtos derivados das baleias no comércio foi um dos principais motivos do aumento da caça e comercialização destes animais, como uma tradicional sociedade comercial. Mas mesmo com a indústria do petróleo suprindo a necessidade comercial do óleo de baleia, esses animais continuam na mira dos arpões.

Cachalote

Pensando na preservação desses animais nasceu a Comissão Baleeira Internacional em 1946, onde foi proibida a caça de baleias para comercialização, e liberada APENAS para fins científicos e acompanhamento de populações.

Porém, apesar da proibição deste órgão internacional, e utilizando-se dessa manobra científica, Japão, Islândia e Noruega seguem pescando baleias e a carne desses animais acaba, misteriosamente, no comércio.

Em uma pesquisa recente, a WWF (World Wildlife Fund) estima que mais de 45 mil baleias foram mortas depois que a Comissão Internacional proibiu sua caça comercial.

Diversos grupos e organizações não governamentais pressionam os países caçadores, em especial o Japão, para que cessem a captura das baleias, porém estes países continuam se apoiando em sua tradição para justificar tal ato. Assim, a sobrevivência deste gigante marinho está lançada ao mar.

 

Saiba Mais:

Greenpeace: http://www.greenpeace.org/international/en/

World Wildlife Fund: http://www.worldwildlife.org/

Comissão baleeira Internacional: https://iwc.int/home

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mestre em Oceanografia, Física, Química e Geológica. Especialista em Estudos Ambientais para área petrolífera e Repostas a Derramamento de Óleo em Corpos Hídricos.

Mais em Artigos

São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017
Gestão Hospitalar

A moderna gestão hospitalar e a questão ambiental.

Roberto Roche27 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »