Artigos

A COCAÍNA

A COCAÍNA

A cocaína é uma droga classificada como estimulante, agindo  diretamente no Sistema Nervoso Central (SNC). Com isso acelerando o funcionamento do cérebro, trazendo como conseqüência um estado de alerta exagerado, insônia, hiperexcitabilidade, falta de apetite, etc.

Presente em uma planta da América do Sul, a Coca, já era cultivada pelos incas nos Andes e depois chegou à Europa, sendo que no norte do Brasil  é também conhecida  como  Epadu.

Foi por muito tempo utilizado como anestésico local e  Sigmund Freud, o pai da psicanálise, a prescrevia para pacientes,  também fazendo utilização própria, pois relatava que sentia mais energia e vitalidade. Ele só desistiu de utilizar e prescrever, quando um amigo pessoal, dependente de morfina, começou a utilizar a cocaína e apresentou um quadro de psicose cocaínica que se somou à síndrome de abstinência à morfina e, infelizmente acabou morrendo.

A cocaína como medicamento foi utilizada até o início do séc.XX, sendo que em meados dos anos 60 o uso  “não médico” ganhou impulso, sendo que o abuso do consumo continua ate os dias de hoje.

A forma de consumo pode  ocorrer de  três diferentes maneiras : fumada, inalada e injetada. O crack, a merla e o oxi (ou pasta base) são apresentações da cocaína para serem fumadas, podendo também ser injetada na corrente sanguínea através de seringas,  ou inalada em pó, sendo esta última ( intranasal )  a mais comum.

Segundo a LENAD (Levantamento Nacional de Álcool e Drogas), quase 6 milhões de brasileiros já experimentaram alguma apresentação de cocaína na vida.

Sendo assim, dado alta ramificação do consumo, o grande desafio social é desenvolver formas de tratamento e prevenção.

Os tratamentos sugeridos para um dependente de cocaína é a psicoterapia e participação em grupo de autoajuda. O objetivo do trabalho  psicoterápico, é fazer com que o paciente  tenha contato com suas fragilidades e saiba lidar com o problema  sem desfocar de si. Pois a tendência do dependente, é focar num parente ou familiar diretamente atingido pelo processo,  e fazer uso de sua auto piedade para poder justificar o uso da droga. Desta forma  observa-se no processo terapêutico um deslocamento de barreira entre ele e o outro, pois o usuário  não conseguia ser um participante ativo de sua própria vida e dada sua passividade, vítima de todas as circunstâncias. Portanto é fundamental  mostrar ao dependente que ele pode se permitir desbravar novas perspectivas para sua vida, observando novos horizontes e descobertas, sendo desnecessário a utilização de drogas  para atingir estes novos estágios e direcionamentos .

Autores: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes e Renan Fernandes de Oliveira

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes20 de janeiro de 2018
Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »