Artigos

A morte de uma estrela

A morte de uma estrela

Este artigo remete um assunto fúnebre: A morte de uma estrela. Até o momento se conhecem três formas disso acontecer, sendo a massa um fator determinante. Cerca de 90% da vida de uma estrela com até 10 vezes a massa do nosso sol é de transformação de hidrogênio em hélio até que o hidrogênio no núcleo acabe. A partir daí a estrela expande-se até se tornar uma gigante vermelha, fase “terminal” em que a energia se dá pela transformação do hélio em carbono no núcleo, que em termos astronômicos, não consegue durar muito tempo.

Quando enfim o hélio se esgota, a estrela ejeta os gases formando uma nebulosa planetária, como é o caso da que você vê agora mesmo. O que resta da estrela é um núcleo de carbono que vai se esfriando até tornar-se uma Anã Branca, com massa similar a do sol e tamanho aproximado ao da Terra. Uma comparação comum da densidade de uma Anã Branca é que uma colher de chá da estrela pesaria dez toneladas.

Para estrelas maiores que 10 massas solares, resta energia nesta última fase para fundir o carbono, depois disso o neônio, magnésio, silício, até ter o núcleo de ferro. Quando o ferro entra na história, há uma catástrofe belíssima: Como ele não libera energia, as camadas superiores começam a pressionar o núcleo numa tentativa de fusão impossível, quando vão de encontro ao núcleo de ferro são bruscamente ejetadas para o espaço, uma explosão chamada de Supernova.

É daí que surgem elementos mais pesados que o ferro, e os gases liberados poderão dar início a novas “vidas”, novas estrelas. Estrelas com mais de 25 massas solares quando morrem dão origem a estrelas de nêutrons ou aos misteriosos buracos negros após a explosão, mas isso fica para um outro capítulo.

Texto: Cristian Reis Westphal
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »