Artigos

A morte do ator da Globo … e a falta da caridade.

A morte do ator da Globo … e a falta da caridade.

Quando a morte atinge um ente querido de forma trágica, gera uma incontrolável comoção.

Dirão alguns, seria um ator, um ente querido ? De certa forma sim, pois frequenta nossa casa, com assiduidade maior que nossos parentes sanguíneos. Mais ainda… sentem alguns que este “ente querido” é o  máximo de virtudes, pois misturam em seus  corações as virtudes vividas pelos personagens, como se fossem atributos do ator. Ele (ator) por sua vez, não “conhece” um defeito sequer em nossa conduta, e nem nos critica, em que pese nossa possível conduta  cheia de desvios.

É portanto uma “relação” ou simbiose perfeita, como as redes sociais puderam registrar, onde os internautas choraram uma perda (para eles) irreparável.

Contudo, muitos não entendem como esta relação distante e fictícia, pode desequilibrar a tantas pessoas. E por justamente não entenderem, alguns reagem por vezes agredindo a estas manifestações de “luto”, contra argumentando de que existem “milhares de mortos de fome ou abandonados em hospitais públicos”, sem gerar qualquer sentimento de comoção ou tristeza geral, como produz a morte de um simples ator.

Na verdade, tanto numa postura como noutra, apresentam-se as duas faces de uma  mesma moeda: a falta da caridade …e explicamos porque.

Se considerarmos a premissa de Cristo “fora da caridade não há salvação”  como um axioma (*), pode-se afirmar que de fato as hordas de abandonados em hospitais ou mesmo em vias públicas a espera da morte, são almas desgraçadas, que merecem nosso sentimento de dor. Mas por não serem “rostos conhecidos”, possuírem endereço ou sequer “identidade da alma”, não geram comoção, pois não as “vemos”. E tampouco quem clama em defesa desses desafortunados, são pessoas que estejam organizadas em atividades regulares de caridade, porque se assim estivessem, não estariam trocando farpas pela internet, pois estariam envolvidas em acolher a outrem, sem tempo de polêmicas, pois a exaustiva rotina deste exercício (caridade) apazigua os envolvidos na ação, construindo um respeito social amplo por quem sofre, seja o motivo tido como “justo” (pobres desamparados) ou “ injustos”  (atores e personalidades mortas).

Por sua vez, a parte da sociedade “enlutada” com a perda de “parente ator”, por justamente não estarem capacitadas ao exercício regular da caridade quer seja em orfanatos ou asilos, julgam que estão sendo seres humanos melhores por terem a capacidade de sentir esta dor alheia, turvando seus sentimentos e percepções, pela perda de um irmão de jornada diária, mesmo que seja através da TV.

Portanto a morte de Domingos Montagner, é um momento muito importante para a reflexão do exercício da caridade de forma rotineira, justamente para inserir em cada um de nós, a construção de  um conceito mais generalista  de um corpo social único e homogêneo, onde todas as almas são importantes, globais ou não.

E ainda vale destacar que este exercício da caridade , como ensinou Jesus, não deve ser público, mas feito longe dos olhos da sociedade. E é justamente assim que nos ensina a parábola “Os infortúnios ocultos”, onde uma mãe generosa e de muitas posses, distribui víveres e roupas aos pobres, também travestida de pobre para não humilhar a quem recebe o donativo, e carrega sua filha adolescente para a tarefa de treina-la neste exercício sublime.

Portanto, que a perda lastimável do ator da Globo, incite menos comentários infelizes, tanto de um lado quanto de outro, e mais ação em prol do exercício da caridade de forma rotineira, até porque Domingos Montagner deixa esposa, filhos e amigos de trabalho. E como não estamos capacitados e pouco evoluídos para o enfrentamento da morte, haverá sempre um sentimento de perda, que somente através do ensinamento da caridade poderá ser minimizado, para seguirmos adiante na  construção de  um Planeta mais inteligente e assertivo em sabedoria, sem tempo para questionamentos  infrutíferos de um lado, ou manifestações de dor de outro, que pouco reconstroem a sociedade.

(*)premissa considerada necessariamente evidente e verdadeira, fundamento de uma demonstração, porém ela mesma indemonstrável, originada, segundo a tradição racionalista, de princípios inatos da consciência ou, segundo os empiristas, de generalizações da observação empírica .

Imagem: sistemampa.com.br

Autor: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Energia Solar

Conheça o instituto de pesquisa sobre energia solar na Alemanha.

Bel Gimenez22 de setembro de 2017
homeopatia

Homeopatia em pequenos animais

Fernanda Lanzelotti21 de setembro de 2017
Robson Miguel

Dia do Violão – 22 de setembro

Roberto Mangraviti21 de setembro de 2017
Abelhas

O que acontecerá se as abelhas desaparecerem?

Karen P Castillioni20 de setembro de 2017
QSMS-RS X Ética Empresarial

Sustentabilidade & QSMS-RS X Ética Empresarial

Roberto Roche19 de setembro de 2017
Arco Íris

O “Arco Íris “ da Comunicação.

Roberto Mangraviti17 de setembro de 2017
Plantas emitem mais quimicos

Novo estudo revela que plantas emitem mais químicos durante ondas de calor

Karen P Castillioni16 de setembro de 2017
LSD

LSD – No Globo Ocular

Dependência Química15 de setembro de 2017
Água

Água valerá mais que petróleo !

Roberto Roche14 de setembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »