Artigos

A política de gestão de resíduos e os catadores

A política de gestão de resíduos e os catadores

A Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), promulgada em 2010 no final do governo Lula, teve seu prazo de implantação postergado por duas vezes e ainda está no papel. O marco legal que deveria ordenar a destinação dos resíduos sólidos urbanos, eliminando os lixões e instituindo programas de reciclagem, ainda é letra morta em grande parte do país. O ambicioso programa, que demandaria anos de implantação, segundo o ministério do Meio Ambiente à época de sua criação, ainda não saiu dos papéis – ou dos computadores – de seus gestores. À grande parte dos municípios faltam conhecimentos técnicos para preparar estudos e projetos de implantação do sistema, recursos financeiros e, além de tudo, vontade política.

Uma das categorias que mais seria beneficiada com as providências previstas na PNRS é a dos catadores; profissionais encarregados da coleta e separação de parte dos fluxos de material reciclável. Organizados em cooperativas e especializando sua atuação por área ou tipo de material, os catadores terão a oportunidade de se aperfeiçoarem, agregando máquinas e equipamentos às suas atividade, aumentando sua produtividade e renda.

Atualmente, porém, a situação dos catadores é bastante diferente. O número destes profissionais cresceu 48% entre 2014 e 2018 – de 180,5 mil para 268 mil – segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (Pnad) Contínua, compilados pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV) e publicados pelo jornal Valor. No entanto, o volume de material coletado que chega às cooperativas vem diminuindo. Causa desta redução na quantidade de recicláveis é a queda no consumo, provocada pela crise econômica. O volume do material recolhido por quatro das sete unidades de reciclagem do Grande ABC, por exemplo, teve queda de 7,5% entre 2017 e 2018, segundo o jornal Diário do Grande ABC. Dados da associação Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre) apontam queda entre 2012 e 2017 no consumo de plástico (-15,4%), alumínio (-15,2%) e de papel (-9,8%). 

Outro fator da queda no volume coletado pelas cooperativas é o aumento de catadores independentes, trabalhando por conta própria. Muitos desses profissionais entraram na atividade por causa do desemprego, já que antes trabalhavam em outros setores da economia, principalmente a indústria da construção civil. São, em sua maioria, pessoas sem qualificação profissional, tendo apenas o ensino fundamental incompleto, ou sem nenhuma instrução. Estes profissionais informais têm renda mensal aproximada de R$ 690,00, cerca de 30% da renda média nacional.

A implantação da PNRS é, junto com a melhoria dos índices de saneamento, um dos mais importantes temas na agenda ambiental urbana brasileira nos próximos anos. Segundo a Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústria de Base (ABDIB), cerca de 29 milhões de toneladas de lixo são destinada incorretamente a cada ano para 3 mil lixões e aterros irregulares. Somente de lixo plástico, segundo o Fundo Mundial para a Natureza (WWF), o Brasil gera 11,3 milhões de toneladas anuais, dos quais apenas 145 mil toneladas (cerca de 1,2%) são recicladas. E isto no país que é o quarto maior gerador de lixo do mundo, atrás apenas dos EUA, da China e da Índia. Nestas condições, a implantação de uma política de gestão dos resíduos urbanos se faz urgente.

Texto: Ricardo E. Rose

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Irrigação por Energia Solar

Primeiro pivô de irrigação por energia solar é lançado no Brasil

Roberto Mangraviti13 de julho de 2020
Biosolvit é ganhadora do Virtual South Summit de Sustentabilidade

Biosolvit é ganhadora do Virtual South Summit de Sustentabilidade

Roberto Mangraviti28 de junho de 2020
Transações online de gado ganham força durante pandemia

Transações online de gado ganham força durante pandemia

Roberto Mangraviti15 de junho de 2020
Oceanos e suas biodiversidades em alerta

Oceanos e suas biodiversidades em alerta

Convidado9 de junho de 2020
Resignifcando o Século XXI e ½ : do “politicamente correto” ao economicamente inepto.

Resignifcando o Século XXI e ½ : do “politicamente correto” ao economicamente inepto.

Roberto Mangraviti7 de junho de 2020
Celebrando o Dia do Meio Ambiente

Celebrando o “Dia do Meio Ambiente da Verdade“, pela 1.a vez.

Roberto Mangraviti3 de junho de 2020
Signify_Dia_da_Energia

Signify e o Dia da Energia: Brasil quadruplicará fontes solares até 2029.

Roberto Mangraviti31 de maio de 2020
Reconhecimento_Facial_Trabalhadores_do_Campo

Reconhecimento facial para trabalhadores no campo contra o coronavirus

Roberto Mangraviti21 de maio de 2020

Nanotecnologia e o Agronegócio

Camila Gagliardi18 de maio de 2020

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com