Artigos

Acidentes podem acontecer, imprevistos NÃO

Acidentes podem acontecer, imprevistos NÃO

Como escrever procedimentos de emergência de acordo com a ISO 14001.

Ter certificação ISO,  significa que acidentes não vão acontecer. Certo?

Acho que não é bem assim, pelo o que temos assistido por aí !!

São quase três décadas na área de QSMS-RS e Sustentabilidade, onde  já passei por vazamento de  químicos , vazamento de óleo tanto em plataforma bem como em terminais e bases , transporte ferroviário e rodoviário , rompimento de barragens de rejeito e algumas explosões ,posso falar com um pouco de tranquilidade sobre o assunto.

Toda empresa precisa de um procedimento de pronta reposta a atendimento para acidentes ambientais. E estar pronta para qualquer imprevisibilidade, pois acidentes podem acontecer, mas IMPREVISTOS NÃO!

Quando surge um acidente, e pode ter certeza que vai acontecer, a direção executiva não pode improvisar junto a sociedade e a mídia.

Um plano simples, objetivo e especifico para cada situação, Entendido?

Nem sempre!

Exemplos catastróficos quanto ao atendimento e depois a comunicação equivocada com a mídia temos vários e bem recentes.

Muitas vezes, durante a implantação de ISO 14001 presenciei a discussão de executivos questionando por que eles precisavam de um procedimento de emergência, simulados e prover recursos para tal.

E a sugestão de que estes planos deveriam ser elaborados sem que previsse cenários alarmistas demais, para não elevar o custo de implantação!!!

O termo “procedimento de emergência” pode parecer meio desanimador, mas tem que existir dentro do sistema de gestão de QSMS-RS e Sustentabilidade.

E precisa sim, ser realistas para cada cenário.

A norma ISO 14001 estabelece a exigência para a organização em ter um processo de “preparação para emergência e pronta resposta”.

O motivo principal é para assegurar que as organizações possam identificar situações e acidentes que venham a ter um impacto sobre o meio ambiente, e ter em seus procedimentos uma metodologia de operação de como lidar com os acidentes.

A norma também, menciona que uma organização deve rever e melhorar esta metodologia de atendimento.

Sabemos que a melhoria contínua é parte integrante da norma e cabe à organização decidir como melhor e a que tempo realizar.

Então, quais os pontos chaves devemos levar em consideração ao desenvolver uma política de proteção ambiental e os procedimentos para o atendimento a emergencial?

Como e o que devemos considerar para a elaboração do procedimento?

Como sabemos, a norma ISO 14001 é elaborada visando a proteção ao meio ambiente.

Para alcançar esse objetivo de proteção ao meio ambiente, uma organização deve estar atenta a: legislação, influência de fatores externos e internos para entender e atender, além de desenvolver procedimentos para identificar, avaliar e mitigar riscos, bem como lidar com quaisquer acidentes ou incidentes.

Vamos a alguns desses pontos que devem ser levados em consideração, baseado em minha experiência profissional e na norma:

E vou fazer da seguinte forma. Questionando a você gestor de QSMS-RS e Sustentabilidade!

Nada como o bom e velho método:  “ Brain Storm”

Legislação e Normas:

Sua região tem uma legislação especifica que você precisa estar atento e considerar quando escrever seu procedimento de emergência?

Sua organização tem um setor que controla os requisitos legais para acompanhar as atualizações na legislação que podem afetá-lo?

Se não, você precisa fazê-lo.

Fatores internos:

Como sua equipe está envolvida neste processo?

Quem é responsável pela coordenação da emergência da empresa em caso de acidente?

Todas as responsabilidades estão claramente definidas no procedimento?

As pessoas responsáveis têm os recursos e o treinamentos para garantir que quaisquer processos de emergência e procedimentos podem ser implementados de uma forma antecipada e eficaz?

Você tem um canal de comunicação eficaz para garantir que eles sabem sobre esse procedimento e quaisquer atualizações que podem ser implementadas?

Existe neste procedimento a previsão de simulados e verificação para garantir que o processo seja eficaz e as metas atingíveis?

Existe um ciclo de feedback para o pessoal garantir que sugestões para melhoria contínua podem ser feitas?

Você tem um canal de comunicação indicado em caso de acidente ou incidente, dado que pode ser impossível trabalhar no escritório nessas circunstâncias?

Fatores externos:

Juntamente com os contratados e parceiros que têm interesse em sua capacidade de lidar com uma emergência ambiental, você quase certamente terá de depender de outras agências externas para executar este procedimento, após você desenvolvê-lo.

Se uma resposta do corpo de bombeiros é necessária, eles podem responder dentro de seu prazo esperado?

Se existe a necessidade de quarentena química de substância química perigosa ou remoção for necessária, isto pode ser conseguido efetivamente e dentro de um período razoável de tempo?

O que acontece se houver um incêndio, há uma rota para o escoamento de água com segurança, para evitar contaminação do solo ou qualquer corpo hídrico?

Todos os locais ou cenários que exigem assistência e intervenção tem fácil acesso, são gerenciáveis, realistas e viáveis para o atendimento?

Sem dúvida é uma excelente ideia compartilhar seu procedimento de emergência equipes de fora da organização para a sua aprovação e para garantir que em caso de incidente ou acidente que os seus objetivos possam ser atendidos.

Agora, vamos falar um pouco da estrutura de seu procedimento de emergência ambiental.

Com as considerações acima expostas e depois de examinar cuidadosamente os itens da norma 14001, sabemos exatamente quais os critérios que precisamos para elaborar um procedimento de pronta resposta a emergências ambientais.

Portanto, temos de assegurar que o nosso procedimento contenha o seguinte:

Avaliação de situações emergência em potencial, já de acordo com ao ISO 14001:2015, com envolvimento da alta direção

Prevenção de acidentes e incidentes, em colaboração com todos os níveis da organização.

Planos e processos que são definidos para responder a incidentes, incluindo ações corretivas.

Simulados, sempre que possível.

Revisão e melhoria dos procedimentos de emergência.

Planos de contingência em caso de acidente ou incidente de como vamos comunicar, onde é que nos encontramos, se podemos trabalhar de casa, onde discar e discutir os planos e assim por diante.

Você pode, claro, estruturar seu procedimento de emergência ambiental de acordo com o seu segmento.

Mas esteja ciente de que você vai ser obrigado a demonstrar evidência dos aspectos acima em sua auditoria, incluindo evidencias do simulado, revisão e melhoria do seu sistema de gestão ambiental em geral e seu procedimento de emergência especificamente.

Seja realista e sensato e envolva as opiniões dos colaboradores e partes interessadas.

Dessa forma, irá beneficiar o meio ambiente, e sua organização e as partes interessadas, também.

Não esqueça , pode ser uma questão de sobrevivência do seu negócio

Se necessitar de ajuda para rever o plano ou elaborar entre em contato.

Estamos juntos!

Texto: Roberto Roche
contato@sustentahabilidade.com

Imagem acidente: Uol

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »