Artigos

Água valerá mais que petróleo?

Água valerá mais que petróleo?

Quando em 2008 o Brasil festejava a descoberta do Pré-sal, o preço do “ouro-negro” girava em US$ 90,00 o barril, e os técnicos da empresa esperavam que poderia chegar a US$ 110,00 a partir de 2010. Hoje, numa realidade totalmente distante do sonho, o preço se encontra em torno de US$ 45,00. E o fato é, que a este preço, o custo de extração (pré-sal) que gira em US$ 50,00, não cobre o valor de venda.

Os motivos da queda, segundo os técnicos, está ligada a sensível redução de consumo por parte dos EUA, que estão utilizando o xisto ao invés de petróleo. Contudo a este preço tão baixo do barril de petróleo, tampouco a produção de xisto se sustenta, levando a imaginar portanto que deverá o petróleo subir um pouco acima de US$ 50,00, pela provável redução dos EUA na produção do xisto. Em suma temos duas velhas lei da economia:

Oferta x Demanda, sempre define o preço dos produtos. Segundo: investimento é algo FINITIVO, levando sempre a um conflito de escolha ou fabricamos canhões ou manteiga(*). Ou petróleo ou xisto, estas são as regras de mercado, entendam ou não, os socialistas, da mais simples noção de economia.

Avaliando a mesma movimentação pendular da Lei de Formação de Preços no mercado, que é obviamente inexorável, a questão do uso da água nos tempos atuais, deveria iluminar a situação de riscos que poderemos caminhar, semelhante ao petróleo. Temos que pensar que a demanda por água no planeta, poderá levar no futuro próximo, à uma disputa acirrada e violenta (política e geografica) neste mercado.

Para se ter uma ideia da escalada do consumo (que afeta diretamente o preço), em 1900, o mundo consumia cerca de 580 km³ de água e em 1950, esse consumo elevou-se para 1400 km³. Já no ano 2000, o consumo superou para 4000 km³, e segundo previsões da ONU … “é provável que em 2025 o nível de consumo eleve-se para 5200 km³”, informa o site Brasil Escola. Ou seja em 150 anos, o consumo aumentou 10 vezes, mas mesmo com a elevação dramática na demanda, as populações continuam desatendidas, pois cerca de 1,1 bilhão em todo o planeta tem dificuldade de acesso à água potável. Considerando ainda que praticamente o mesmo número de pessoas passam fome no planeta, que (espera-se) obrigará o aumento da produção de alimentos (forte consumidor de água), não há previsão de qual o impacto no custo de produção. Contudo podemos imaginar sinais preocupantes … antes o petróleo era apelidado de “ouro-negro” e agora pode ser chamado de “ouro de tolos” . E provavelmente a nossa insubstituível água será batizada de o “novo ouro” do planeta, mas jamais será ouro dos tolos.

(*)Trade-off ou tradeoff é uma expressão que define uma situação em que há conflito de escolha. Ele se caracteriza em uma ação econômica que visa à resolução de problema mas acarreta outro, obrigando uma escolha. Ocorre quando se abre mão de algum bem ou serviço distinto para se obter outro bem ou serviço distinto.[1]

Foto: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1717

Autor: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »