Artigos

Álcool + Adolescentes = Riscos de vícios maiores ainda!

Álcool + Adolescentes = Riscos de vícios maiores ainda!

O que torna o álcool tão interessante para o adolescente na Cultura Alcoólica chamada Brasil? Vale classificar, em linhas gerais, quais são as características típicas de um adolescente: insegurança diante de si e do grupo, necessidade de autoafirmação e sentimentos, às vezes avassaladores, por descobrir o mundo. As próprias ações hormonais impactam neste estado de transformação interna que desequilibra a psique colocando o indivíduo diante de dúvidas e incertezas.

Quais são, então, as reações que o álcool proporciona, especialmente neles? Estado alterado de consciência proporcionado pela substância que leva à desinibição, à súbita euforia, ao êxtase do riso. Assim sendo, um “casamento perfeito” com data prevista para o “divórcio”, pois também pode conduzir à agressividade, ao choro, ao vômito, ao sono e à apatia. Tantos efeitos, tantas aventuras, tanto descontrole de si, tanto prazer em estar fora de si…

A busca por ser outro mais espontâneo, mais agradável, com maior entrosamento e aceitação do grupo, podendo competir: “Quem é que fica mais bêbado hoje?”, podendo rir de si e do próprio descontrole: “Nossa, ontem eu bodei no banheiro da balada e hoje tô de ressaca, mas fiquei bem loco!”, podendo se afirmar diante do outro: “Véio, eu bebo mesmo!” – essa é a visão mágica do adolescente. Ele, no auge de sua onipotência, acredita que suporta beber enormes quantidades sem conseqüência imediata ou futura. É, pois, movido pelo prazer e pela necessidade de pertencimento ao grupo, além da busca pela superação provisória de suas vergonhas e medos.

Como se esses problemas não bastassem, outros ainda mais perigosos surgem, pois, essa vontade de mais prazer, de mais “viagem”, euforia ou relaxamento, em suma, é a porta de entrada para outras drogas. O álcool também cumpre essa função, podendo conduzir à cocaína a qual leva a maior euforia e proporciona ao usuário “agüentar beber muito mais”.

Outras drogas como o LSD (“doce”) e o êxtase (“bala”) também são encontrados em quase “qualquer balada”, pois há traficantes especializados em casas noturnas. Já ao final da noite, a maconha é utilizada para proporcionar sono, relaxamento, leve euforia e socialização amistosa.

Desta forma, o álcool cumpre um “papel importante” na noitada, pois é a porta de acesso justamente porque desinibe e pode gerar a necessidade de outros efeitos mais poderosos e/ou variados.

Portanto, ao beber, a consciência se altera; o desejo por mais, portanto, pode ser satisfeito a partir do uso de múltiplas drogas, cada uma estimulando de um jeito particular.

É muito comum, nesse sentido, encontrarmos adolescentes já familiarizados com os efeitos de várias drogas, usadas esporadicamente, a princípio. Porém, existem vários estudos que mostram que indivíduos que começam a beber antes dos 15 anos têm sete vezes mais chance de desenvolver problemas relacionados ao uso de álcool do que aqueles que o fazem após os 21. Lembrando aqui que o amadurecimento do Sistema Nervoso Central ocorre até os 21.

Justamente por isso e por tudo o que mencionamos até aqui, cabe-nos questionar o que fazer diante desse quadro caótico. Cada um de nós, atores desta sociedade, pais, amigos de adolescentes e profissionais imersos nesse contexto, podemos e devemos aumentar o nosso diálogo com eles. Mas como não parecer tão antiquados e sem limites ou com excessivos boicotes de liberdade?

Entendendo este ser em formação chamado adolescente, compreendendo suas perspectivas , temores, inseguranças e, sobretudo, desejos. Enfim, valores que estão vigendo sobre ele!

Foto: www.suggestkeyword.com

Autores: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes e Renan Fernandes de Oliveira

Artigos

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »