Artigos

Álcool… Porta de entrada para a dependência química

Álcool… Porta de entrada para a dependência química

Há uma enorme quantidade de adolescentes que revelam que só conseguem tomar algumas iniciativas no campo afetivo e sexual sob o efeito do álcool. Essa informação não pode passar despercebido aos nossos olhos. O álcool é a substância psicoativa mais consumida precocemente pelos adolescentes, o que aumenta o risco de dependência, chances de envolvimento em acidentes, violência sexual e participação em gangues. Estudos mostram que o álcool na adolescência está associado com mortes violentas, queda no desempenho escolar, dificuldades de aprendizagem e prejuízo no desenvolvimento.

Apesar de tantas conseqüências, devemos salientar que os efeitos conseguidos através do álcool não são os únicos fatores que mantém o alto índice do uso dessa substância. Ao ver um programa de televisão popular ou mesmo pela internet, o adolescente é estimulado ao consumo, várias vezes durante uma mesma programação, seja através de publicidades, filmes, entrevistas, jornais, etc. Nestes, o álcool é associado a prazer, poder, virilidade, aprovação, popularidade, relaxamento, companhia de pessoas bonitas, famosas e interessantes. Ou seja, quem não bebe está “por fora” e “não pode” fazer parte dessa massa de pessoas que saem para beber e se divertir.

Experimente visualizar as seguintes cenas, caro leitor: Cena 1: você entra em um churrasco de família e 90% das pessoas está bebendo cerveja e/ou algum outro destilado; Cena 2: você entra em uma balada e percebe que é praticamente o único que ainda não bebeu. Notem, quer seja numa cena familiar doméstica (de adultos e até idosos) ou num ambiente jovem de “paquera” que, estar “por dentro” é uma expressão da necessidade humana de pertencimento e aceitação social, ligada à busca de proteção no bando, segurança e até poder.

Em geral, para um adolescente, estar “por fora” é algo experimentado com intenso sofrimento, habitualmente ligado à vergonha de si, rejeição e inferioridade. Se ele for o único a não beber ou o único a não consumir drogas em seu grupo de iguais, não se sentirá parte integrante e, a experiência nos revela, poderá fazer de tudo para conseguir se igualar.

Sendo assim, somos forçados a admitir que desenvolvemos e seguimos padrões de “normalidade” que são auto-destrutivos e que acabam integrando nossa identidade. Estes modelos de repetição, ora na TV e internet, no churrasco ou na balada, despertam em nós o desejo de imitarmos os valores vigentes para dele fazermos parte, para nunca nos sentirmos “por fora”. Destarte, nossas percepções ficam contaminadas e passamos a aceitar sem julgamentos apenas o que é convencional.

A prova disto fica explicitada quando todos estão tomando um café com pão e manteiga numa padaria e surge um cliente solicitando uma cerveja preta, logo pela manhã. O olhar silencioso de “desaprovação” é geral, pois aquela atitude é “ilícita” socialmente.

Até aqui conseguimos demonstrar a esmagadora presença do álcool, parte de seu contexto social, seus efeitos e conseqüências. Portanto vale frisar categoricamente, que o álcool será (para grande parte dos adolescentes que irão consumir outras drogas no futuro), a primeira experiência de grande “euforia” associada a uma substância, de “descontrole”, de forte desinibição, de “viagem / brisa / loucura”, e também de intensa troca social, afetiva e sexual.

Por tais razões, vale desmistificar o conceito de que a maconha seja a única e mais larga porta de entrada para outras drogas, pois estudos observam que o álcool facilita muito mais tal entrada, e que a legalização da maconha na Holanda, há mais de 30 anos, também produziu resultados que depõem contra a tese da “porta de entrada”.

Devido a isso, nos deteremos com mais detalhes à situação da maconha no próximo artigo.

Foto: www.stopfryingyourbrain.com

Autores: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes e Renan Fernandes de Oliveira

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »