Artigos

Allianz Parque… o discurso e a prática

Allianz Parque… o discurso e a prática

A TV Globo, conforme noticiário que circulou pela internet, teve seus profissionais Cleber Machado e Casagrande impedidos por torcedores, de  entrarem no Allianz Parque no último dia 03 de dezembro. O automóvel que conduzia os jornalistas foi cercado por torcedores, obrigando a emissora a transmitir a final da Copa do Brasil dos estúdios, a distância.

Motivo da revolta? O nome da Arena do Palmeiras, Allianz Parque, não é pronunciado nas transmissões da emissora, que considera “propaganda gratuita” da seguradora que pagou alguns milhões, para comprar o nome do estádio, numa operação comercial de marketing, de forma lícita.

Este acontecimento é de relevância capital, e nos obriga a uma reflexão na relação empresas e consumidores e além do próprio momento turbulento vivido no país.

É interessante destacar  que a TV Globo possui na sua grade de transmissão, incluindo a Globo News, uma infinidade de programas de esporte falando somente de futebol. E de forma exaustiva estes programas ressaltam a importância da inserção de um modelo “profissional” na gestão dos negócios dos clubes de futebol.

Para aqueles torcedores, ou seja clientes do produto futebol, a postura da emissora que não cita corretamente o nome do estádio, é uma atitude anti ética e incompatível. E de fato, soa aos ouvidos públicos aquilo que o ditado popular classifica como “faça o que eu digo mas não faça o que faço”, e portanto os agentes deste mercado  estão “respondendo” a esta discrepância.

Isto é um sinal absoluto de bons tempos.

Poderão alguns dizer que o engajamento destes torcedores, seria mais útil em outros “campos” da vida do país, especialmente se olharmos a situação econômica e política do Brasil.

Claro que seria, mas não minimiza o fato da dimensão da resposta pública, objetivamente enviada. E fica gritante que independente do nível sócio cultural/econômico da população,  parte dela, está atenta ao conteúdo e a essência verdadeira das palavras e daquilo que uma empresa transparece ou faz transparecer na sua comunicação.

Isto não é pouco não! Porque este comportamento exigente, há de reverberar nas áreas públicas fundamentais ao país, como social e econômica, em outros momentos.

Vale destacar que os profissionais citados, por sinal ótimos, não estão fazendo isto por escolha pessoal, mas por orientação da empresa, e desta forma estão sendo cobrados pelos consumidores, por conivência com uma atitude absolutamente equivocada, comercialmente, da emissora.

Ou seja, para os clientes, os jornalistas representam a  empresa. Não são meros funcionários, cumprindo ordens do “chefe” … não há esta dissociação.

A outra pressão popular, também ocorrida em São Paulo, com relação a “reorganização” das escolas públicas, entra neste mesmo diapasão. A população não entendeu como verdadeira a atitude do governo do estado e protestou, com ocupações e passeatas que obrigaram o cancelamento daquilo que havia sido planejado pelo governo.

Portanto nos dias de hoje, exercer a importante missão de  comunicar, não é mais uma arte exclusiva de marqueteiros ou profissionais de mídia.

É muito mais do que isso, significa CONSTRUIR REPUTAÇÃO, amparado na verdade.

E o mais evidente, o discurso tem que bater com a prática.

Foto: wikipedia.org

 

contato@sustetahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Pedagoga, Produtora, Diretora Comercial e de Tecnologia, do Portal Sustentahabilidade.com. Especialista em planejamento de recurso corporativo, gestão de processos e projetos.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »