Artigos

Amazônia Azul uma Riqueza Brasileira

Amazônia Azul uma Riqueza Brasileira

Não é novidade que o Brasil não cuida de suas riquezas como deveria.

A força do mar nos negócios brasileiros é de baixo impacto econômico, e de alto impacto ambiental.

Segundo 3.a Convenção das Nações Unidas do Direito sobre o Mar, concluída em 1982, o Brasil possuí jurisdição sobre 3,5 milhões de km2 de águas marítimas, lembrando que temos 8,5 milhões de km2 de terra.

Toda esta imensidão de águas também é denominada de “Amazônia Azul”, termo criado pela Marinha Brasileira.

Em 1997, 73% do comércio exterior do país ocorreu pelos mares, já em 2017 este número subiu para 95%.

Isto significa que 7,5 US$ bilhões são despendidos em fretes por ano, mas infelizmente somente 5% sob bandeira brasileira.

Além de gerar um déficit em conta corrente na balança pagamento, há o risco da água de lastro das embarcações internacionais que transportam seres vivos oriundos de outros mares, contaminem a nossa costa, decorrente de micro –organismos nocivos , caso o descarte dessas águas dos cascos dos navios, não ocorram com distância legal da costa.

Riquezas Extraídas

Riquezas Extraídas

Considerando a dimensão da costa brasileira, que é uma fronteira demarcatória ( que em terra é muito mal policiada), o que pensarmos desses risco nos mares?

A riqueza que o mar nos concede, em geral somente é vista, infelizmente sob a ótica energética, que na verdade gera riquezas, certamente hoje questionáveis.

Afinal petróleo e gás são considerados por ambientalistas “dinossauros em estado líquido e gasoso”, mas 90% da extração destas fontes energéticas no Brasil, são extraídas dos mares.

Enxergar a costa brasileira como fonte de ventos para produção de energia eólica, que somente responde por 5% da matriz brasileira, é um dos nossos grandes desafios para este século.

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos do Autor:

Feiras de energia limpa crescem no Brasil

As lições da Rio 2016

Observação: dados do comercio exterior extraídos dos Capitães Álvaro José de Almeida Junior e Jones A.B. Soares, capitães de longo curso da marinha mercante

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »