Artigos

Animais em Condomínios

Animais em Condomínios

O Código Civil brasileiro, que trata do Condomínio Edilício nos artigos 1.331 a 1.358, não prevê expressamente a proibição de cães ou qualquer outro animal de estimação em condomínio, mas apenas determina, no artigo 1.336, inciso IV, que o condômino não deve alterar o destino de sua unidade, bem como não a utilizar de maneira prejudicial ao sossego, à salubridade e à segurança dos demais.

Neste contexto, são as convenções ou regulamentos internos condominiais que disciplinam o tema, podendo apenas estabelecer regras de convívio que restrinjam a forma de como os animais deverão circular nas áreas comuns do condomínio, tais como, exigir o uso de coleira, guia e focinheira, requisitar a condução do animal somente pelo elevador de serviço, dar destinação adequada dos dejetos, dentre outros quesitos.

Nesse sentido, nenhuma convenção ou regulamento interno pode proibir a permanência de animais no interior dos apartamentos ou casas, haja vista que tal proibição implicaria violação aos direitos de propriedade e liberdade individual do condômino em utilizar a sua área privativa, de acordo com seus interesses, mas sem alterar o fim a que se destina o imóvel.

Outro ponto relevante e muito discutido nas convenções é a permissão apenas de animais de estrutura pequena no condomínio. Tal restrição, todavia, não tem amparo legal, haja vista que as leis municipais, por exemplo, a Lei nº 13.131/01, de São Paulo, limitam tão somente a quantidade de animais por casa ou apartamento, mas não fazem referência às suas características físicas e comportamentais.

Contudo, apensar da legislação não tratar expressamente dessa questão, em contrapartida, exige bom senso e ponderação por parte dos tutores de animais de estimação, haja vista que o problema, na maioria das vezes, reside no seu próprio comportamento, e não do animal.

Assim, questões referentes à higiene, segurança e sossego são as principais causas que afetam a boa convivência e harmônica entre condôminos, dentre elas destacam-se a circulação de animais em locais proibidos; dejetos não recolhidos; barulhos que ultrapassam o limite do tolerável e número de animais acima do máximo permitido na unidade condominial.

Diante desse cenário, independentemente do que esteja previsto nas convenções, alguns pontos devem ser obervados, a fim de que discussões acerca do tema sejam evitadas, tanto na esfera administrativa quanto na judicial. São elas:

• O animal não deve oferecer riscos à saúde e à segurança dos demais condôminos e a outros animais: Os cachorros só devem andar com coleira e guia pelo condomínio e, para os que apresentam comportamento agressivo, recomenda-se o uso de focinheira, independentemente do seu porte. Além disso, todos os animais devem ser vacinados anualmente de modo a não transmitirem doenças para pessoas e outros seres viventes;

• Zelo quanto à higiene dentro do condomínio: A entrada, saída e circulação devem ser feitas somente pelos locais permitidos. Além disso, é importante dar destinação correta aos dejetos dos animais, evitando, assim, sujeira e mau cheiro;

• O animal não deve perturbar o sossego dos demais condôminos: a lei do silêncio deve ser respeitada, principalmente quando se trata de um cão que late muito e/ou faz muita bagunça;

• Evitar o contato do animal com pessoas desconhecidas para não dar margem a reclamações;

• Respeitar o número máximo permitido de animais por unidade.

Assim, caso o tutor do animal infrinja qualquer uma dessas regras de boa convivência e não esteja disposto a colaborar para que a relação com os demais condôminos seja pacífica, é possível, em um primeiro momento, notifica-lo sobre a conduta inadequada e, havendo reincidência, aplicar-lhe multa prevista na convenção ou regulamento interno, desde que a infração seja devidamente comprovada.

Nesse contexto, conclui-se que a permanência do animal no condomínio não pode ser proibida, contudo, a convivência harmônica entre condôminos só é possível, desde que haja bom senso, ponderação, respeito e tolerância tanto dos tutores de animais quanto dos demais moradores. Afinal,
o direito de um começa onde o do outro termina.

Milena Rupiani Bonetto

Advogada, pós-graduada em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental, Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB de Santo Amaro.

E-mail: milenarpbon@uol.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Energia Solar

Conheça o instituto de pesquisa sobre energia solar na Alemanha.

Bel Gimenez22 de setembro de 2017
homeopatia

Homeopatia em pequenos animais

Fernanda Lanzelotti21 de setembro de 2017
Robson Miguel

Dia do Violão – 22 de setembro

Roberto Mangraviti21 de setembro de 2017
Abelhas

O que acontecerá se as abelhas desaparecerem?

Karen P Castillioni20 de setembro de 2017
QSMS-RS X Ética Empresarial

Sustentabilidade & QSMS-RS X Ética Empresarial

Roberto Roche19 de setembro de 2017
Arco Íris

O “Arco Íris “ da Comunicação.

Roberto Mangraviti17 de setembro de 2017
Plantas emitem mais quimicos

Novo estudo revela que plantas emitem mais químicos durante ondas de calor

Karen P Castillioni16 de setembro de 2017
LSD

LSD – No Globo Ocular

Dependência Química15 de setembro de 2017
Água

Água valerá mais que petróleo !

Roberto Roche14 de setembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »