Artigos

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Os mamíferos se beneficiaram com desaparecimento dos dinossauros, pois aumentaram em número com esse evento. O comportamento deles também mudou rapidamente, fazendo com que os antepassados animais peludos se aventurassem mais pela luz do dia após viver uma longa exsitência noturna. A mudança de comportamento pode ter desencadeado a evolução da nossa própria humanidade.

Paleontologistas e biólogos evolutivos pensaram há muito tempo que os mamíferos originais eram noturnos, em parte porque os mamíferos atuais tem sentidos altamente desenvolvidos de cheiro e audição, e bigodes sensíveis que lhes permitem sentir o que está na frente deles – todos os traços que são úteis no escuro.

Exatamente quando os mamíferos começaram a se aventurar durante o dia tem sido um mistério, porque o comportamento é difícil de discernir dos fósseis. Então, os biólogos evolutivos Roi Maor da Universidade de Tel Aviv em Israel, Kate Jones do University College London investigaram as preferências do dia ou a noite de mais de 2415 espécies de mamíferos vivos e, em seguida, usaram dados genéticos para desenhar suas árvores genealógicas, observando quando os ancestrais mais antigos do dia poderiam ter surgido.

As primeiras espécies de mamíferos ancestrais a serem ativas durante o dia provavelmente viveram cerca de 65,8 milhões de anos atrás – apenas 200 mil anos após a extinção em massa que eliminou todos os dinossauros, exceto aves. O antepassado comum dos camelos, hipopótamos e cervos de hoje, por exemplo, provavelmente começou a procurar a luz do dia naquela época, diz Maor. Os camelos de hoje são ativos durante o dia, enquanto os hipopótamos são ativos à noite, e os veados estão misturados, ele observa. “A atividade diurna começa assim que os dinossauros desaparecem”, diz Maor. Até então, ele diz, provavelmente era muito arriscado aventurar-se entre os dinossauros de olhos aguçados e dentes afiados. A análise sugere que a expansão para o dia aconteceu com bastante rapidez depois que a competição acabou, diz ele. “Em termos evolutivos, 200 mil anos são um piscar de olhos”.

Isso é consistente com o registro fóssil, o que mostra claramente que o número e os tipos de mamíferos se expandiram rapidamente depois que os dinossauros desapareceram. Embora a idéia de que os mamíferos se ocupem dos espaços deixados vazios pela morte dos dinossauros não seja nova, ter estatísticas para apoiar essa hipótese é fundamental para o avanço das pesquisas.

Os primatas de hoje são principalmente ativos durante o dia, Maor observa, e os antepassados ​​dos primatas parecem ter sido alguns dos primeiros a adquirir hábitos diurnos, de acordo com a análise. Essa vantagem pode ser porque nós e outros macacos temos melhor visão de cores – e sentidos mais apurados – do que muitos outros mamíferos. Primatas provavelmente tiveram vários milhões de anos para evoluir traços que nos ajudam a ser bem sucedidos na luz solar, diz ele.

 

Texto:  Karen P. Castillioni
contato@sustentahabilidade.com

 

Outros Textos da Autora

 

http://sustentahabilidade.com/o-que-acontecera-se-as-abelhas-desaparecerem/

http://sustentahabilidade.com/o-sexto-sentido-das-enguias/

 

Referência

http://www.sciencemag.org/news/2017/11/when-dinosaurs-went-extinct-many-animals-literally-came-out-dark

Figura

https://www.sciencedaily.com/releases/2011/07/110712211016.htm

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga com Mestrado em Botânica pela UNESP.Desenvolvedora de estudos ligados à ecologia, conservação, sustentabilidade e impactos das alterações climáticas.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017
Valor Compartilhado & Sustentabilidade

Valor Compartilhado & Sustentabilidade

Roberto Roche6 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »