Artigos

Aproveitamento dos rios de São Paulo

Aproveitamento dos rios de São Paulo

No século XVI a cidade de São Paulo não tinha mais do que algumas centenas de habitantes. O local onde estava assentado o primeiro núcleo urbano, hoje conhecido como “Pátio do Colégio”, era uma colina ladeada pelos rios Anhangabaú e Tamanduateí situados dentro de extensas várzeas. Estas áreas – principalmente o vale do Tamanduateí – eram sujeitas a enchentes, que ocorriam na época das grandes chuvas, durante os meses de verão. Ao diminuir seu volume, o rio deixava atrás de si peixes mortos. Foi provavelmente daí que veio o nome “piratininga”, que quer dizer “peixe seco” na língua tupi; grupo indígena que habitava a região. O tempo foi passando e os rios de São Paulo sofreram transformações dos mais variados tipos. Alguns, como o rio Anhangabaú foram canalizados; outros, como o Tamanduateí e o Tietê foram retificados ao mesmo tempo em que passaram a receber efluentes das casas e das fábricas.

Os rios que circundam São Paulo também serviram como rota de transporte. Do litoral de São Vicente subia-se a Serra do Mar por um caminho já conhecido pelos índios e mais tarde batizado como “caminho dos jesuítas”. No planalto, navegando pelo rio Jurubatuba (ou Grande) desde a região onde hoje se localiza o município de Riacho Grande, os viajantes chegavam ao rio Guarapiranga e alcançavam o rio Pinheiros, na região onde atualmente está o bairro paulistano de Santo Amaro (vila fundada em 1556 por José de Anchieta). Pelo rio Pinheiros navegavam até a desembocadura do rio Tietê (à época chamado de Anhembí), que percorriam até a foz do Tamanduateí, rio que subiam até alcançarem a vila de São Paulo. Os viajantes dos primeiros tempos da colonização do planalto paulista, percorriam uma rota que hoje em parte é seguida pelas marginais Pinheiros e Tietê. Os rios Jurubatuba e Guarapiranga foram respectivamente transformados nas represas Billings e Guarapiranga.

Retomando a ideia de que se pode navegar em tono da cidade de São Paulo, um grupo de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) está propondo a construção de uma hidrovia que circundará parte da região metropolitana. O projeto “Hidroanel Metropolitano de São Paulo” planeja criar uma rede de vias navegáveis, composta pelos rios Pinheiros, Tietê, represa Taiaçupeba (entre Suzano e Mogi das Cruzes) e Billings, acrescido de um canal que deverá ligar as duas represas. O hidroanel deverá ter uma extensão total de 170 km e, se aprovado, será provavelmente a maior obra já realizada em região urbana no país. O projeto deverá conectar e utilizar rios e represas que circundam 14 municípios da região metropolitana, gerando 40 mil empregos diretos e 120 mil indiretos, durante a implantação do projeto – um período de aproximadamente 30 anos.

No projeto prevê-se a construção de estações de tratamento de esgoto, de canais, eclusas e diversos tipos de portos. Uma das funções da hidrovia metropolitana será receber em seus portos todo o material descartado pela cidade, tornando-se a rota para escoar o refugo e o material reciclado pela região. No projeto também foi incluída a construção de 60 “ecoportos”; cais para convivência comunitária e atividades lúdicas e culturais.

Ainda não há previsão para início do projeto ou se o este será aprovado no governo. Mais informações sobre o hidroanel encontram-se no site: http://www.metropolefluvial.fau.usp.br/hidroanel.php

Ricardo Rose é jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias. É diretor de meio ambiente da Câmara Brasil-Alemanha e editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com)

Ver Comentários (1)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018
Locais acidentados

Visitas de autoridades aos presídios e locais acidentados.

Roberto Mangraviti9 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »