Artigos

Aquecimento global cada vez mais real

Aquecimento global cada vez mais real

Durante a primeira quinzena de maio de 2013 foi alcançada uma marca muito importante para a humanidade e para o planeta Terra: segundo medições, o nível de dióxido de carbono (CO²) atingiu as 400 partes por milhão (ppm); o que significa que há 400 partes deste gás para cada milhão de partes de ar. As medições de CO² dissolvido na atmosfera terrestre começaram no fim da década de 1950, quando estavam em 315 ppm. Para se evitar o aumento do aquecimento global e das mudanças do clima, a ciência havia estabelecido o limite de 350 ppm.

Segundo a ciência, com relação ao clima, o último bilhão de anos da história do planeta pode ser dividido em dois períodos de aproximadamente 500 bilhões de anos. De um bilhão até 500 milhões de anos atrás, o planeta era muito frio, muito mais do que hoje. Neste período, segundo o geólogo Ernesto Lavina em entrevista para o jornal IHU online, “havia muitas geleiras espalhadas pelas latitudes médias e altas. Houve um momento, em torno de 640 milhões de anos atrás, em que toda a Terra se congelou, inclusive o Equador. É a teoria da Bola de Neve.” Através do vulcanismo, com o lançamento de cinzas vulcânicas, CO² e vapor d´água para a atmosfera, o clima foi gradativamente se tornando mais quente, através do processo que hoje chamamos de efeito estufa. Ainda segundo Lavina, nos últimos 500 milhões de anos o clima do planeta foi na maior parte do tempo mais quente do que atualmente, não havendo gelo nos polos. Os períodos de polos congelados são raros; há 444 milhões de anos, há 300 milhões e no período atual, que teve início há cerca de 1,8 milhões de anos.

Tudo indica que devido às recentes condições climáticas do planeta associadas às atividades humanas, vivemos o período mais quente na história da Terra dos últimos 3,5 milhões de anos. Segundo o professor Brian Hoskins, diretor do Instituto Grantham para Mudanças do Clima do Imperial College de Londres, da última vez que a Terra estava tão quente não havia gelo permanente na Groenlândia e o nível dos mares era muito mais elevado. Já não restam mais dúvidas, portanto, de que a atmosfera está gradualmente se aquecendo por força do efeito estufa, ou seja, acúmulo de gases na atmosfera. O que não se sabe ainda é se este fenômeno pode ser creditado unicamente às atividades antrópicas (humanas).

O aquecimento do planeta deverá causar grandes impactos ao clima e ao tempo meteorológico. Onde existe abundância de chuva poderá ocorrer estiagem, alterando biomas e atividades econômicas; regiões frias se tornarão mais quentes; nível dos oceanos aumentará lentamente. O impacto destas mudanças provavelmente se manifestará em tempo perceptível no espaço de uma vida humana. Exemplo concreto disso é a diminuição da calota de gelo no Ártico, cujos primeiros sinais apareceram na década de 1970.

Enquanto o processo avança na natureza, a maior parte das pessoas, empresas e países está convencida de que a inventividade humana criará novas tecnologias, capazes de fazer frente ao desafio climático – o que é bastante provável. No entanto, ainda não conseguimos avaliar qual o custo a ser pago na realocação de cidades litorâneas e áreas de plantio inundadas; na reconstrução de portos, estradas e centrais elétricas. Além disso, desconhecemos o impacto social e econômico, resultante da migração de milhões de pessoas para outras regiões.

Ricardo Ernesto Rose jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias. É diretor de meio ambiente da Câmara Brasil-Alemanha e editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com)

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Mundo Verde

“Mundo Verde” projeta crescer 25% em 2018

Roberto Mangraviti24 de novembro de 2017
Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »