Artigos

As Olimpíadas e o meio ambiente

As Olimpíadas e o meio ambiente

Às vésperas dos Jogos Olímpicos, o governador interino do estado do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, decreta estado de calamidade pública, tendo em vista a situação financeira. Foram anunciados cortes em diversos programas sociais que podem atingir 1,4 bilhão de reais – valor insuficiente para reduzir o déficit de 19 bilhões de reais, resultado do descontrole nos gastos públicos e queda na receita dos royalties do petróleo.

A época para a falência financeira do estado é a pior possível, já que a cidade de Rio de Janeiro está às vésperas de sediar o mais importante evento esportivo mundial: os XXXI Jogos Olímpicos. A Olimpíada deverá ocorrer entre 5 e 21 de agosto de 2016 e são esperados cerca de 480 mil visitantes. Para receber esta afluência a prefeitura, o estado e o governo federal realizaram várias obras de infraestrutura, além de preparar as instalações para a realização dos jogos e a acomodação dos atletas participantes.

Quando a cidade apresentou sua candidatura para sediar os Jogos Olímpicos em 2009, um dossiê estimava os investimentos necessários em 28,8 bilhões de reais, divididos da seguinte maneira: 5,6 bilhões de reais destinados à construção do Parque Olímpico e 23,2 bilhões para obras relacionadas ao transporte público. A mais recente estimativa de custos, de agosto de 2015, alcançou 39,1 bilhões de reais devido, segundo o Comitê Olímpico Brasileiro, ao aumento do número de projetos, compra de equipamentos adicionais e inclusão de obras que não haviam sido previstas de início.

Apesar do grande volume de obras realizadas, inclusive de saneamento, a poluição das águas é, sem dúvida, o maior problema desta Olimpíada. Constantemente, a imprensa local e internacional tem publicado informações sobre as duvidosas condições de limpeza das águas onde serão realizados esportes aquáticos como remo (Lagoa Rodrigo de Freitas) e vela (área da Baía de Guanabara). Permanece o fato de que grande parte dos rios que deságua na baía de Guanabara ainda recebe grande volume de esgoto doméstico e, em alguns casos, industrial. Com a expansão urbana da cidade do Rio de Janeiro desde o século XIX, estes rios se transformaram em receptores de efluentes e lixo, que são carregados para dentro da baía.

Quando do início das obras em 2010, o Comitê Olímpico Brasileiro disse que a baía estaria saneada em até 80% para receber a Olimpíada. No final de 2015 o então governador Pezão informou que o percentual de tratamento dos esgotos, que era de 17%, deveria chegar aos 49% até a realização da Olimpíada. Estimativas mais recentes, segundo o jornal eletrônico “Rio on Watch” (http://rioonwatch.org.br/?p=19084), aumentam este percentual para 65%. Nas últimas semanas algumas obras de saneamento ainda foram entregues, mas o problema de poluição das águas persistirá mesmo durante o evento. A poluição não se limita à lagoa Rodrigo de Freitas e à baía da Guanabara. Na zona Oeste, perto de onde está localizado o Parque dos Atletas, grande parte das lagoas também está comprometida por efluentes domésticos.

A situação do Rio de Janeiro reflete a maneira como o Estado tem tratado a questão do saneamento desde sempre no Brasil. Num evento desta monta, quando aos olhos do mundo o país poderia mostrar uma imagem de comprometimento com o meio ambiente, o que apresentaremos é incapacidade de gestão e descaso com a natureza.

Foto: https://www.behance.net/gallery/889218/Rio-2016

Ricardo Ernesto Rose
Consultor, jornalista e autor, com especialização em gestão ambiental e sociologia. Graduado e pós-graduado em filosofia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. Atualmente é consultor em inteligência de mercado no setor de sustentabilidade. É editor dos blogues “Da natureza e da cultura” e “Considerações oportunas”. Se site profissional é: www.ricardorose.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Energia Solar

Conheça o instituto de pesquisa sobre energia solar na Alemanha.

Bel Gimenez22 de setembro de 2017
homeopatia

Homeopatia em pequenos animais

Fernanda Lanzelotti21 de setembro de 2017
Robson Miguel

Dia do Violão – 22 de setembro

Roberto Mangraviti21 de setembro de 2017
Abelhas

O que acontecerá se as abelhas desaparecerem?

Karen P Castillioni20 de setembro de 2017
QSMS-RS X Ética Empresarial

Sustentabilidade & QSMS-RS X Ética Empresarial

Roberto Roche19 de setembro de 2017
Arco Íris

O “Arco Íris “ da Comunicação.

Roberto Mangraviti17 de setembro de 2017
Plantas emitem mais quimicos

Novo estudo revela que plantas emitem mais químicos durante ondas de calor

Karen P Castillioni16 de setembro de 2017
LSD

LSD – No Globo Ocular

Dependência Química15 de setembro de 2017
Água

Água valerá mais que petróleo !

Roberto Roche14 de setembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »