Artigos

AS “ ORAÇÕES” DE KEYNES NA CRISE DE 29 … AOS PEDIDOS DE ORAÇÕES SOBRE CORONAVÍRUS.

AS “ ORAÇÕES” DE KEYNES NA CRISE DE 29 … AOS PEDIDOS DE ORAÇÕES SOBRE CORONAVÍRUS.

A Depressão de 1929, foi e ainda é, o epicentro de um dos maiores desastres da Terra , culminando uma década depois com a chegada de Hitler, uma espécie de Coronavírus, misturado com Dengue, Febre Amarela e Aids daquele tempo.

O fim da 1.a Guerra (1914/1918), gerou o Tratado de Versalhes (1919) que deveria  encerrar  aquela desastrada disputada mas não conseguindo, após  imporem uma multa impagável à Alemanha, pelo “custo” da guerra.

Segundo o economista John Maynard Keynes, o “tratado”, abriu as portas para hiperinflação de 1923, crise de 29  e a ruína e desemprego sub-sequentes, que foram o caldo de cultura do nazismo (1939-1945)… ou seja  1/2  século de desastres sistêmicos.

Keynes, através de seu  livro,  “As Consequências Econômicas da Paz” lançado em 1920 , anteviu até o risco do surgimento de um líder maluco para  resgatar a multa imposta à Alemanha… e assim aconteceu, como uma espécie de “Mãe Dinah” da política mundial.

No “chutômetro” de hoje, pode-se dizer que aquele cenário era muito pior que o atual, afinal não havia sequer 15% de  países democráticos no Planeta, e tampouco as soluções eram integradas como são hoje.

Óbvio que o mundo entrará numa Depressão Econômica e emocional tendo o corona como gatilho , mas dificilmente teremos 10 ou 15  anos contínuos delas, como aconteceu no século passado.

Lembrando que após aquele momento, o Planeta viveu o maior período de crescimento  que se teve notícia, em “QUASE” todas as frentes, e provavelmente este fenômeno se repetirá,  pós coronavírus.

Contudo as  lições do pós guerra, mostraram que a “reconstrução”,  tem  riscos também, pois não se pode reconstruir a qualquer preço.

 Assim foi com  a exploração de recursos desmedidas, via emissão de gases de efeito estufa , desequilíbrio ambiental com proliferação de vetores de doenças, que moldou a dinâmica da jornada reconstrutiva do século XX, com raríssimas  vozes contrárias a este modelo perigoso.(1).

E no afã de produzir em larga escala com a necessária em vendas para escoar a produção em larga escala, todo o foco dos negócios foi voltado na distribuição/marketing e consumidor.  Por sinal, o termo “consumidor “ esteve desassociado ao ser humano, como se o “consumidor fosse um ET , sem alma humana. Alguns renomados  pensadores, dentre eles Philip Kotler,  no início do Século XXI,  passaram a associar bons negócios e vendas revendo  este cenário e dando ênfase a crescente Espiritualidade desse “consumidor”.

Portanto  um esquecimento alarmante da visão espiritualizada norteou todo Século XX,  na forma de gerir negócios, recursos e pessoas, com o  abandono da Religiosidade no modus operandi de vida, substituindo-a  de forma disfarçada  por  Religião.

É claro que seres humanos espiritualizados através da Religiosidade são metas planetárias sócio ambientais lícitas e necessárias.

Ao passo que Religiões, quando devidamente aplicadas, são simplesmente ferramentas ou escadas para alcançarmos estes objetivos … e não o inverso como temos visto proliferar indevidamente.

Religiosidade é a ação que eleva o pensamento, INDEPENDENETE DA RELIGIÃO… é um “up grade“ da inteligência convidada a renovar-se todos os dias, típico da visão do filósofo Santo Agostinho (354 DC- 430 DC)

Contudo agora, a religiosidade  está sendo “conclamada” pelos 4 cantos… desde  políticos, passando pelo lideres religiosos, desaguando nos amigos do Facebook.

E nos dias de hoje, é um tal de vamos orar aqui…  vamos orar ali, intermináveis.

São movimentos muito bem vindos, desde que amparados numa visão de 360◦ sobre o ato de “orar”, na forma em elevar a fé raciocinada no objetivo de expandir a alma humana, ao invés de pedir para “matar” um vírus como muitos preconizam como um “compromisso” endereçado à  Deus.

Além do mais,  por vezes, os organizadores destas correntes do bem, convocam seus amigos das Redes para a tal união de manhã, e depois do almoço   promovem uma guerra  nas redes, desancando o presidente , que dia sim dia não,  pouco ajuda nesse sentido, soltando suas “pérolas”  desnecessárias.

Noutro momento,  quando o Governador de São Paulo destina verbas que incentive as pessoas ficarem em casa, ouvindo trovadores nas janelas cantando … um outro grupo (neste caso defensores do presidente) destilam um ódio mortal pelo encaminhamento de verbas para essas ações que contribuem para o equilíbrio emocional, que não estão em detrimento dos  recursos às  UBS’s.

Nestes casos, a ignorância em Economia somente é superada pela ignorância  Espiritual, pois se encaminharmos 100% dos recursos para Saúde, destruiremos  o Transporte,  que transporta a Saúde.

 É o dilema descrito por Samuelson (1915-2009), Premio Nobel da Economia em 1970 (2),  descobrir o “break even” … quanto devemos investir  em canhões e quanto em manteiga ? … escolhas difíceis especialmente diante de crises.

Enfim , “orar” exige estudo de lógica, economia, história e fé raciocinada, justamente para obter-se equilíbrio para tomada de decisões de forma certeira, e dispensa críticas apaixonadas da turma do Fla X Flu, pró Bolsonaro ou contra Bolsonaro.

Pois até a própria atitude de Orar possui esses atributos que estão associados a Neuro Linguística, para alcançar seus objetivos.

Tanto que  existem  diferenças cognitivas entre Prece e Oração. 

A primeira possui dinâmica passiva, e coloca nas Mãos de Deus nossas súplicas, para sermos atendidos e acolhidos .

Já a Oração, é ativa , e coloca em nossas atitudes o “ start” do processo …  “Senhor fazei de mim um instrumento de vossa paz, onde houver ódio que eu leve o amor” assim escreveu São Francisco (1.181-1.226)

Percebam que o notável líder, toma para si o compromisso clamando  que ”EU“ leve o amor… somos portanto sujeitos partícipes do compromisso transformador, na visão franciscana.

E segundo a Medicina, a serotonina que é um hormônio neurotransmissor, que atua  fazendo a comunicação entre as células nervosas, é produzida quando justamente há equilíbrio orgânico e do pensamento, obtidos em especial  nestas situações de prece ou oração, quando ambas nos coloca em reflexão interna e introspectiva de acalmia.

Portanto “Orar” para nos conectar  com Deus, Alá ou o  Criador … segue uma linha de estado mental de plenitude , de gerar bons fluídos e defesas orgânicas, impossível para quem  vive batendo uma no cravo e outra na ferradura.

Claro que não iremos  transformar uma Sociedade orando de manhã e desancando governantes de qualquer partido a tarde.

Tampouco, será educativo de forma continuada, orar dias a fio e largamos depois estas ações construtivas , como foram historicamente  abandonadas na trajetória da humanidade, que insiste após crises, pegar somente a parte que lhe interessa do aprendizado…voltando em seguida aos seus interesses individuais e /ou partidários.

Foi assim após a Revolução Francesa, que clamava por “Liberdade, Igualdade e Fraternidade ”. Naquele momento, a ala dos liberais da economia focaram na Liberdade  exclusivamente, contrariamente aos  comunistas que focaram na Igualdade exclusivamente… e   ambos esquecendo-se da Fraternidade .

Felizmente  muitas frentes de bons exemplos estão surgindo para equilibrar o caos, como da indústria da F1, que colocou a tecnologia a serviço da Humanidade de forma literalmente “veloz” e  fraternal.

E esperamos que maus exemplos, como desses hatter’s do Facebook ou religiosos sem fé raciocinada, não contribuam para  uma “Versalhes do Século XXI”  impondo sanções indevidas, à China pela possível disseminação do Corona.

Pois passada a crise, seitas econômicas engessadas sucumbirão por si … líderes popularescos serão lançados na vala do esquecimento … e   parcelas da sociedade que destilam ódio ao invés da construção, estarão no último vagão do trem para Futuro.

Cabe a todos nós, focarmos nestes princípios elevados, tendo a humildade de opinarmos MENOS para estudarmos MAIS … afinal a Historia lembrar-se-á de São Francisco pela Eternidade, e não terá uma só lembrança desses hooligans da internet….

Texto: Roberto Mangraviti

contato@sustentahabilidade.com

(1)Gro Harlem Brundtland, enviada especial das Nações Unidas para Mudanças Climáticas que redigiu “Nosso Futuro Comum “ (Our Common Future), criticou a emissão de gases etc.

(2) O trade-off clássico, apresentado pelo economista Paul Samuelson, refere-se à decisão de uma economia entre produzir canhões ou manteiga. Quanto mais se gasta em armas (defesa nacional), menos se pode gastar em manteiga (bens de consumo). Em 1970, Samuelson ironizou a expressão PNB como Poluição Nacional Bruta.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Arsenal da Esperança - Centro de Acolhida

Centro de Acolhida em SP com solução exemplar diante do Coronavírus e pede apoio

Roberto Mangraviti27 de março de 2020
A cultura inovadora em tempos de crise

A cultura inovadora em tempos de crise

Roberto Mangraviti23 de março de 2020
Museus do Mundo Online

Fique em casa e visite os Museus (on line)

Bel Gimenez20 de março de 2020
Shoppings centers – grandes aliados no descarte de eletrônicos

Shoppings centers – grandes aliados no descarte de eletrônicos

Roberto Mangraviti16 de março de 2020
Coworkings crescem e caminham para regulamentação

Coworkings crescem e caminham para regulamentação

Roberto Mangraviti12 de março de 2020
Chuvas insignificantes para o mercado de energia elétrica

Chuvas insignificantes para o mercado de energia elétrica.

Isabel Gimenez1 de março de 2020

Meditação Transcendental é disciplina de Mestrado em Computação nos EUA

Roberto Mangraviti28 de fevereiro de 2020
Oceanos o Pulmão do Mundo

Oceanos compõem o verdadeiro pulmão do mundo

Roberto Mangraviti25 de fevereiro de 2020
Beneficios da Beterraba

Beterraba – Além de proteger anemia tem ação Benéfica na glândula tireoidiana

Dr Leo Kahn23 de fevereiro de 2020

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com