Artigos

Banimento das Sacolinhas nos Supermercados – Lobby ou Necessidade ?

Banimento das Sacolinhas nos Supermercados – Lobby ou Necessidade ?

Visando contribuir com o polemico tema, apresentamos algumas informações no âmbito exclusivamente econômico/histórico.

No Brasil da Eco 92 , inflação era de 1.152% ao ano, que levava as pessoas a estocarem produtos por meses, proliferando a utilização de sacolas para o transporte de imenso volume de compras . Hoje a inflação gira em 5% e o brasileiro possui hábitos de consumo totalmente diverso, não mais estocando produtos. O PIB atual é cerca de 50% superior ao de 1992 e naquela época seria inimaginável supor que algum dia estaríamos a frente do Reino Unido. Neste novo cenário, o gasto médio dos shoppers nos hipermercados é de R$ 24,80, sendo necessário, em média, de 3 ou 4 sacolas de plástico para transporte, representando algo em torno 0,2% da compra, ou seja a economia das redes distribuidoras é baixa sobre o volume. Quanto as vantagens da venda das sacolas retornáveis, à disposição a partir de R$ 2,00 a unidade , supõe-se razoável que as vendas cessarão quando as necessidades de transporte forem atendidas excetuando-se as situações de esquecimento por parte do consumidor, gerando um consumo adicional, em níveis supostamente não medidos.

Esquecer-se de levar uma sacola retornável às compras, ou a eventual necessidade de aquisição adicional, num primeiro momento, poderá desestimular o consumidor, além de retardar o tempo de permanência no check out . A utilização de caixas de papelão em substituição as sacolas, novamente presentes no check out como em 1992, dificulta a higienização, dificulta a circulação e dispersão na saída da loja e são possíveis fatores adicionais de custo. Antes da legislação atual, as caixas de papelão eram vendidas à sucateiros e geravam receitas aos supermercados. A título de parâmetro , shopping’s centers com cerca de

750.000 clientes mês , auferiam cerca de R$ 5.000,00/mês com a venda de reciclados , dispendendo em torno de 90% desta receita com salários e encargos destinados ao pessoal da operação de reciclagem .

A sacolinha de supermercado produzida em polietileno, é impermeável, ou seja no aterro sanitário não permite que o material orgânico(sobras de alimentos etc) seja absorvido e em 2015 os lixões serão lacrados, de acordo com a nova Política Federal de Resíduos Sólidos de 2.010.

Há natural desconfiança dos propósitos de novas legislações no Brasil, em razão de ações discutíveis no passado , como a obrigatoriedade do estojo de primeiros socorros nos veículos. Contudo uma legislação que incentiva a substituição das sacolas de polietileno, não é exclusiva do Brasil, tampouco moderna, pois na Alemanha, que talvez seja o pais mais adiantado em legislação ambiental, a venda de sacolas retornável foi adotada em 1991.

Roberto Mangraviti

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

homeopatia

Homeopatia em pequenos animais

Fernanda Lanzelotti21 de setembro de 2017
Robson Miguel

Dia do Violão – 22 de setembro

Roberto Mangraviti21 de setembro de 2017
Abelhas

O que acontecerá se as abelhas desaparecerem?

Karen P Castillioni20 de setembro de 2017
QSMS-RS X Ética Empresarial

Sustentabilidade & QSMS-RS X Ética Empresarial

Roberto Roche19 de setembro de 2017
Arco Íris

O “Arco Íris “ da Comunicação.

Roberto Mangraviti17 de setembro de 2017
Plantas emitem mais quimicos

Novo estudo revela que plantas emitem mais químicos durante ondas de calor

Karen P Castillioni16 de setembro de 2017
LSD

LSD – No Globo Ocular

Dependência Química15 de setembro de 2017
Água

Água valerá mais que petróleo !

Roberto Roche14 de setembro de 2017
Enguias

O “sexto sentido” das enguias

Karen P Castillioni13 de setembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »