Artigos

Calor aumenta demanda por eletricidade

Calor aumenta demanda por eletricidade

Enquanto os Estados Unidos são assolados por uma intensa onda de frio, a Inglaterra e parte da Europa sofrem com fortes ventos e inundações, o Brasil tem um dos verões mais quentes dos últimos tempos. Bom para os milhões de turistas que lotam praias e piscinas, se refrescando de temperaturas que variam entre 32 e 40 graus Celsius. O setor de turismo em todo o País já está festejando: as atividades ligadas ao setor de turismo já preveem um ano com faturamento acima da média – pelo menos durante estas primeiras semanas de 2014.

Se a onda de calor é recebida com alegria pela maior parte da população, causa preocupação ao setor elétrico. Altas temperaturas significam maior consumo de eletricidade em máquinas de ar condicionado, ventiladores, refrigeradores e outros equipamentos. Já durante o ano de 2013 houve um aumento de 3,3% no consumo de eletricidade em relação a 2012, apontando uma tendência de crescimento da demanda, que com o verão se acelera mais ainda.

O que os especialistas do setor elétrico mais desejam é que São Pedro mande mais chuva para encher os reservatórios das hidrelétricas. É o caso das barragens de Furnas e Rio Grande e dos cursos dos rios Paranaíba e São Francisco. A região onde se localizam estas barragens e estes rios é chama de “a caixa d´água do Brasil”, por reunir rios, barragens e hidrelétricas que em conjunto respondem por aproximadamente 70% de toda a eletricidade gerada no País. Além de Furnas, incluem-se neste sistema as usinas de Emborcação, no Sudeste, e de Três Marias e Sobradinho, na região Nordeste.

Durante as últimas semanas, o nível de água contido nestes reservatórios ficou em 43% de sua capacidade total para o Sudeste e em 35% para a região Nordeste. Felizmente, trata-se de uma quantidade de água bem acima daquela registrada entre 2012 e 2013, quando o volume no Sudeste era de apenas 29% da capacidade dos reservatórios, quantidade pouco acima do registrado no ano de 2000; o fatídico ano que antecedeu o racionamento de 2001. Mesmo assim, as marcas atuais estão abaixo das médias de 50% a 60%, registradas nos reservatórios em anos em que as precipitações pluviométricas atingiram quantidades normais, dentro das médias históricas para a região. Em entrevista para o jornal O Estado de São Paulo, o presidente da consultoria Thymos Energia, João Carlos Mello, declarou que “em dezembro, choveu na região, e os reservatórios iniciaram 2014 um pouco mais cheios que no ano passado. Mas os níveis ainda são baixos e as previsões de chuvas na região não são das melhores para os próximos meses – tudo indica que teremos um 2014 tão estressante na área de energia quanto 2013”.

Dadas estas condições o governo será forçado a suprir a demanda de energia através de usinas termelétricas, cuja implantação requer menos tempo que as outras tecnologias. O problema destes geradores é que funcionam com combustível importado, de custo relativamente alto, além de ser poluente. Para evitar lançar mão desta tecnologia o governo deveria introduzir medidas efetivas de eficiência energética, tanto na indústria e no comércio quanto em suas próprias instalações, como há tempos já fazem outros países. Não é possível continuar aumentando somente a oferta de energia, a custos muito altos, sem atuar também na redução da demanda, através de processos e equipamentos mais eficientes e inteligentes.

 Ricardo Rose consultor e jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. É autor de quatro livros sobre meio ambiente e sustentabilidade e editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com). Seu site profissional é: www.ricardorose.com.br

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »