Artigos

Centrífuga artesanal de sangue para detectar Malária em países sem recurso

Centrífuga artesanal de sangue para detectar Malária em países sem recurso

Por apenas 20 centavos, é possível fazer uma centrífuga de papelão, corda e velcro. Um artigo revisto por pares tem demonstrado que este engenho artesanal pode separar rapidamente o plasma do sangue e ser usado para diagnosticar a malária onde as instalações médicas não estejam disponíveis.

As centrífugas funcionam criando gravidade artificial, fazendo com que as misturas se separem com base na densidade. Esta capacidade é usada para tudo, desde testar a tolerância de um astronauta para forças extremas, até enriquecer urânio para energia nuclear ou armas nucleares. O principal uso, no entanto, é nos laboratórios médicos, onde eles podem rapidamente separar o sangue e outros fluidos corporais em partes para o diagnóstico ou transfusão.

As centrífugas biomédicas não são os equipamentos mais caros, porém elas ainda podem estar fora da faixa de preço de clínicas de saúde nas partes mais pobres do planeta, e sua ausência custa vidas. A Dr. Manu Prakash, da Universidade de Stanford se perguntou se era possível fazer algo mais barato.

Com o disco feito de cartão rígido, a linha de pesca feita de cordas, e as alças feitas de madeira ou PVC, a coisa toda pode ser montada em quase qualquer lugar. Observações em câmera lenta de como esse trabalho de “centrifugação” é feita, ajudou Prakash a refiná-lo para que a separação pudesse ocorrer muito mais rapidamente do que os modelos de baixo custo existentes.

Alimentado por nada mais do que um enrolamento e desenrolamento de duas cordas, as menores versões do dispositivo de Prakash pode ser girado a 125.000 rotações por minuto na mão, no qual o plasma pode ser separado do sangue em menos de dois minutos.

A força experimentada pelo sangue nessas condições é 30.000 vezes maior que a da gravidade. Quinze minutos são suficientes para criar o que é conhecido como o revestimento buffy, a camada de sangue centrifugada contendo a maioria dos glóbulos brancos e plaquetas, que pode ser usado para o diagnóstico de malária.

Texto: Cristian Reis Westphal
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Lideres

O anacronismo das lideranças

Roberto Mangraviti20 de abril de 2018
Robson Miguel

Robson Miguel em Brasília – Semana do Índio.

Bel Gimenez17 de abril de 2018
Água

Água … uma riqueza desvalorizada no Brasil

Roberto Mangraviti16 de abril de 2018
Japão trabalha para abrigar humanos na Luaem 2030

Brasil … qual o perfil da sua gente ?

Roberto Mangraviti14 de abril de 2018
The Body Shop - Testes em animais

Assinaturas para fim de testes em animais

Roberto Mangraviti13 de abril de 2018
Localoza

Negócio “limpo” – caminho da Localiza no Brasil com solar.

Roberto Mangraviti12 de abril de 2018

Bactérias e a formação do oxigênio na Terra Primitiva

Cristian Reis Westphal11 de abril de 2018
Eficiência Energética

Novas maneiras de incentivar a eficiência energética

Ricardo Rose7 de abril de 2018
Roberto

ABC Repórter destaca o nosso Portal

Bel Gimenez6 de abril de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »