Artigos

China proibirá todo o comércio de Marfim até o final de 2017

China proibirá todo o comércio de Marfim até o final de 2017

Ultimamente não tem sido muito favorável o clima para o maior animal terrestre do planeta. O último censo constatou que o número de elefantes da África tem caído em 30% ao longo dos sete anos entre 2007 e 2014, com apenas 350.000 vivos na selva.

A proibição do comércio internacional de marfim está em vigor desde 1989, mas o comércio interno continuou a florescer. Isto deu ao marfim ser obtido ilegalmente – o que foi adquirido após a entrada em vigor da proibição – acesso fácil ao mercado legal. Com tão poucas verificações sobre a origem do marfim, a facilidade com que os documentos podem ser falsificados e a relutância geral ou indiferença das agências de execução, a China tornou-se o epicentro do marfim ilegal.

Algumas estimativas sugerem que a China representa cerca de 70% do mercado global de marfim, com sindicatos criminais organizados e até mesmo oficinas de entalhe aprovadas pelo Estado, lucrando com o abate em massa de elefantes no continente africano. Só no ano passado, acredita-se que pelo menos 20.000 elefantes foram vítimas de caçadores para abastecer a demanda no Extremo Oriente, onde o quilo do “ouro branco” pode valer milhares de dólares.

O anúncio feito pelo Conselho de Estado da China detalha como ele vai “cessar parte do processamento de marfim e as vendas até 31 de Março 2017 e cessar todo o processamento de marfim e as vendas até 31 de Dezembro de 2017.

A meta ambiciosa e rapidamente implementada foi celebrada pela World Wildlife Fund (WWF) saudando o país com um “anúncio histórico” que será um “grande impulso aos esforços internacionais para enfrentar a crise de caça de elefantes na África.

Com os gigantes aproximando rapidamente da extinção, espera-se que este movimento irá encorajar outros a fazer o mesmo, e talvez possamos salvar o elefante antes que seja tarde demais.

Texto: Cristian Reis Westphal
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »