Artigos

Cinco ferramentas para introduzir a linguagem de programação para crianças

Cinco ferramentas para introduzir a linguagem de programação para crianças

Para a geração Z (diz-se dos nascidos após a década de 90), usar tecnologia é quase como respirar. Na verdade, cada vez mais presenciamos crianças – com 2 ou 3 anos de idade – mexendo em tablets. Ficamos nos perguntando se o instinto de “arrastar” sobre a tela já vem de fábrica.

Há um vasto conteúdo sobre a importância do uso consciente da tecnologia. Atividades como pesquisar na internet, fazer login em um computador ou enviar um e-mail são essenciais, tanto para a vida acadêmica quanto para a profissional. Talvez tão importante quanto seja a capacidade de conhecer um pouco de programação. Assim, é possível que as crianças entendam o que acontece por trás dos bastidores do computador. Além de sanar a curiosidade, também é um ótimo exercício para melhorar o raciocínio lógico. Vamos a cinco opções para introduzir o tema para crianças:

1 – Scratch

Desenvolvido pelo MIT, a Scratch é uma linguagem de programação visual para crianças de seis anos ou mais. Desde o seu lançamento em 2007, mais de 800.000 usuários aderiram site e compartilharam mais de 1,7 milhão de projetos – desde jogos a animações. A Scratch está disponível gratuitamente e é executada em computadores Mac, Windows e Linux.

2 – Alice

Alice é um ambiente aberto de programação 3D, projetado para ensinar estudantes programação orientada a objetos e eventos. Com o Alice, os alunos soltam e arrastam gráficos para criar a animação/programa. Por enfatizar animações e interações sociais, o Alice tem sido uma ótima porta de entrada para as crianças no mundo da programação.

3 – Hackety Hack

Hackety Hack é um aplicativo de código aberto que ensina os conceitos básicos de programação na linguagem Ruby. O app dá aos alunos uma base sólida na linguagem, de modo que eles possam começar a construir seus próprios aplicativos em Ruby fácil e rapidamente.

4 – Arduíno

Arduíno é uma plataforma aberta de prototipagem com hardware. Funciona com a linguagem C++, o que, na opinião de alguns, talvez não seja a melhor linguagem para iniciar os estudos de programação. Entretanto, construir algo que realmente se mova pode ser bem motivador para os pequenos.

5 – Lego Mindstorms

Um dos brinquedos mais conhecidos da história também pode ser usado para construir robôs. Os kits Lego Mindstorms, que incluem sensores e motores, podem ser adquiridos em versão educacional. Vêm com linguagem de programação própria, mas pode ser configurado para trabalhar com outras.

Autor: Cristian Reis Westphal

contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »