Artigos

Clima, chuva e água

Clima, chuva e água

O volume das chuvas na região Sudeste deve continuar baixo durante o próximo ano. O instituto Climatempo de Meteorologia prevê que no próximo verão as precipitações pluviométricas deverão permanecer abaixo da média histórica no período – 1.250 mm entre outubro e março –, mas um pouco acima dos níveis 2013/2014. Com isso, a população do estado de São Paulo não ficará livre de novos racionamentos e das demais consequências da seca.

A escassez d’água está afetando principalmente as seis bacias do rio Tietê, onde estão localizadas mais de 200 cidades (quase 30% dos 645 municípios do estado), prejudicando cerca de 27 milhões de pessoas em seus afazeres diários. A estiagem também está causando estragos na pecuária e na agricultura, provocando uma quebra de 33% na safra do milho, 17% na de soja e 8% na cana-de-açúcar. Além disso, também prejudica o pequeno agricultor, que fornece a maior parte dos produtos hortifrutigranjeiros consumidos diariamente pela população urbana. Caso as chuvas não ocorram com mais frequência até o mês de setembro, não há como preparar o solo para o plantio da próxima safra, provocando redução na colheita em 2015.

Os índices pluviométricos no estado de São Paulo são influenciados basicamente por três macro-fenômenos climáticos: a umidade que é trazida da região amazônica, o fenômeno do El Niño e as mudanças climáticas. A umidade é formada por nuvens que do oceano Atlântico penetram na região amazônica e ali se precipitam. Através da evapotranspiração formam-se novas nuvens, que são deslocadas pelos ventos para as regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul, onde formam grande parte das chuvas. O El Niño tem origem na variação de temperatura do oceano Pacífico e, no caso do Brasil, influencia diretamente o regime de chuvas das diversas regiões do país. As mudanças climáticas são um fenômeno global, resultado do aquecimento da atmosfera, que se manifesta na forma de variações de temperaturas e suas conseqüências (chuvas, secas, etc.).

A interligação destes três principais fenômenos climáticos é muito grande. Existem autores que já prevêem uma diminuição nos volumes de chuvas nas regiões Sudeste e Sul do Brasil, dada a diminuição da área florestal na Amazônia. Os desmatamentos, que nos últimos meses vêm crescendo novamente segundo alerta de agências atuantes na região, estão reduzindo a cobertura vegetal e com isso o volume de nuvens formadas pela evapotranspiração. Este fenômeno climático ainda não é conhecido detalhadamente, mas a recente seca que afeta a região Sudeste pode indicar o início de um processo cuja dinâmica ainda ignoramos. Da mesma forma, ainda não sabemos qual a influência do aquecimento global sobre fenômenos climáticos conhecidos, como o El Niño. Se a grande causadora do El Niño é a variação da temperatura do oceano Pacífico – os oceanos atuam como condicionadores do clima da Terra – quais seriam as consequências de aumentos de 2ºC a 3ºC na temperatura do planeta, como está previsto que aconteça até o final deste século?

A tecnologia só nos deu uma aparente independência em relação à natureza. Ainda somos uma espécie nova e não aprendemos o quanto o clima pode influir na sobrevivência ou extinção de uma espécie. Lembremos que 99% de todas as espécies que até hoje apareceram sobre na Terra já não existem mais, como consequência de mudanças climáticas que provocaram a falta de água e alimentos.

Ricardo Ernesto Rose consultor, jornalista e autor, pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Graduado e pós-graduado em filosofia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. Atualmente é consultor em inteligência de mercado no setor de sustentabilidade. É editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com). Seu site profissional é: www.ricardorose.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Risco Ambiental na Gestão de Resíduos Sólidos

Roberto Roche12 de dezembro de 2017
São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »