Artigos

Cocaína – Parte 3

Cocaína – Parte 3

Falando um pouco mais aqui sobre a cocaína, podemos perceber que muitos usuários utilizam este perigoso “atalho” para se satisfazer, substituindo situações como realizações profissionais, amor, companhia de amigos e familiares, sexo, etc. Ou seja, um perigoso atalho que acaba fazendo com que o usuário afaste-se  das atividades normalmente prazerosas, levando-o a buscar uma recompensa química na cocaína, para atender expectativas frustradas nos campos sociais da vida.

Podemos como um  exemplo desta situação,  observar um rapaz que deixa de sair com a namorada, pois pensa obsessivamente no bar onde costuma comprar a droga. Portanto, a troca gradativa da família e trabalho, por companheiros de uso e situações facilitadora, são atitudes habituais que exemplificam este mecanismo neuroquímico.

E quando a cocaína é  consumida simultaneamente com álcool, forma-se um novo componente proveniente da metabolização de ambas as drogas, o cocaethylene. Este componente resultante, é de potencial dependente  ainda mais forte do que a cocaína, o que explica a tendência do usuário tomar drinks, quando  usa cocaína, observada em muitos usuários desta droga. Portanto a combinação de álcool e cocaína é tida como o “casamento perfeito”, pois une a droga depressora (álcool) com a estimulante (cocaína).

Sendo a cocaína  uma droga relativamente popular, barata e fácil de se  obter no Brasil, estima-se que em todas as grandes cidades do país, haja farta oferta da droga.  Muitas vezes os mesmos traficantes que vendem drogas mais socialmente aceitas (como a maconha), também dispõe de cocaína, o que facilita os primeiros contatos com esta perigosíssima  droga.

Como já destacamos em artigos anteriores,  os derivados da cocaína, entre estes o crack, (uma variação química do cloridrato de cocaína) pode ser inalado (fumado) em cachimbos, e é apresentado usualmente na forma de pedras amareladas ou brancas. Seu potencial de criar dependência e seus malefícios para o sistema nervoso é muito maior do que o da cocaína em pó.

No próximo artigo, daremos destaque ao OXI, que é feito do resto do CRACK.

Até breve!

Foto: http://www.mundodastribos.com/

Autores: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes e Renan Fernandes de Oliveira

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Artigos

Mais em Artigos

BNPETRO

Unicórnio nacional é destaque no mundo dos negócios ambientais

Roberto Mangraviti8 de agosto de 2020
Energia limpa crescendo em 2020 no Mundo

Energia limpa crescendo em 2020 no Mundo

Roberto Mangraviti3 de agosto de 2020
Novo marco legal do saneamento

Novo marco legal do saneamento

Roberto Mangraviti26 de julho de 2020
Conheça do benefícios das plantas medicinais e aromáticas

Conheça do benefícios das plantas medicinais e aromáticas

Isabel Gimenez20 de julho de 2020
Irrigação por Energia Solar

Primeiro pivô de irrigação por energia solar é lançado no Brasil

Roberto Mangraviti13 de julho de 2020
Biosolvit é ganhadora do Virtual South Summit de Sustentabilidade

Biosolvit é ganhadora do Virtual South Summit de Sustentabilidade

Roberto Mangraviti28 de junho de 2020
Transações online de gado ganham força durante pandemia

Transações online de gado ganham força durante pandemia

Roberto Mangraviti15 de junho de 2020
Oceanos e suas biodiversidades em alerta

Oceanos e suas biodiversidades em alerta

Convidado9 de junho de 2020
Resignifcando o Século XXI e ½ : do “politicamente correto” ao economicamente inepto.

Resignifcando o Século XXI e ½ : do “politicamente correto” ao economicamente inepto.

Roberto Mangraviti7 de junho de 2020

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com