Artigos

Cocaína – Parte 3

Cocaína – Parte 3

Falando um pouco mais aqui sobre a cocaína, podemos perceber que muitos usuários utilizam este perigoso “atalho” para se satisfazer, substituindo situações como realizações profissionais, amor, companhia de amigos e familiares, sexo, etc. Ou seja, um perigoso atalho que acaba fazendo com que o usuário afaste-se  das atividades normalmente prazerosas, levando-o a buscar uma recompensa química na cocaína, para atender expectativas frustradas nos campos sociais da vida.

Podemos como um  exemplo desta situação,  observar um rapaz que deixa de sair com a namorada, pois pensa obsessivamente no bar onde costuma comprar a droga. Portanto, a troca gradativa da família e trabalho, por companheiros de uso e situações facilitadora, são atitudes habituais que exemplificam este mecanismo neuroquímico.

E quando a cocaína é  consumida simultaneamente com álcool, forma-se um novo componente proveniente da metabolização de ambas as drogas, o cocaethylene. Este componente resultante, é de potencial dependente  ainda mais forte do que a cocaína, o que explica a tendência do usuário tomar drinks, quando  usa cocaína, observada em muitos usuários desta droga. Portanto a combinação de álcool e cocaína é tida como o “casamento perfeito”, pois une a droga depressora (álcool) com a estimulante (cocaína).

Sendo a cocaína  uma droga relativamente popular, barata e fácil de se  obter no Brasil, estima-se que em todas as grandes cidades do país, haja farta oferta da droga.  Muitas vezes os mesmos traficantes que vendem drogas mais socialmente aceitas (como a maconha), também dispõe de cocaína, o que facilita os primeiros contatos com esta perigosíssima  droga.

Como já destacamos em artigos anteriores,  os derivados da cocaína, entre estes o crack, (uma variação química do cloridrato de cocaína) pode ser inalado (fumado) em cachimbos, e é apresentado usualmente na forma de pedras amareladas ou brancas. Seu potencial de criar dependência e seus malefícios para o sistema nervoso é muito maior do que o da cocaína em pó.

No próximo artigo, daremos destaque ao OXI, que é feito do resto do CRACK.

Até breve!

Foto: http://www.mundodastribos.com/

Autores: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes e Renan Fernandes de Oliveira

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Matriz Energética

Produção de Eólica, segue crescendo no Brasil.

Roberto Mangraviti23 de outubro de 2017
Madre Tereza

“Gente do Contra “

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2017
Varejo

Varejo crescerá 1,4% em 2017.

Roberto Mangraviti21 de outubro de 2017
Boni

Boni-65 anos de brilhante trajetória televisiva

Fabio Rejaili Siqueira20 de outubro de 2017
Riso

A origem do riso

Convidado18 de outubro de 2017
acidente ambiental

Complacência MATA!

Roberto Roche17 de outubro de 2017

Desperdício “Zero” … cultura Mottainai do Japão.

Tiemi Yamashita13 de outubro de 2017

O quão grande pode se tornar um tsunami?

Cristian Reis Westphal12 de outubro de 2017
Meio Ambiente

A Importância da Conformidade Ambiental da Indústria

Roberto Roche10 de outubro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »