Artigos

Como as montanhas se formam?

Como as montanhas se formam?

Na história da nossa humanidade, os povos antigos contemplavam o tamanho e a majestude das montanhas, no qual eles sentiam estar na presença de alguma coisa… divina. E dentro dos sistemas de crenças e culturas antigas, era comum usar a figura da montanha como algo espiritual – ou servir como a casa dos Deuses, um resultado da sua atividade, ou um lugar para se aproximar de Deus.

Graças a geologia moderna, agora sabemos a verdadeira história de como as montanhas são formadas. Simplificando, elas são o resultado de forças tectônicas ou vulcanismo. Mas sabendo que isso não diminuiu sua natureza impressionante e inspiradora, como são formadas as montanhas?

Na verdade, existem três maneiras em que as montanhas possam ser formadas, que correspondem aos tipos de montanhas em questão. Estas podem ser conhecidas como montanhas vulcânicas, falhadas e as montanhas de bloco. Todos estas são o resultado de placas tectônicas, onde fatores como as forças de compressão, elevação isostática e a intrusão de forças da matéria ígnea eleva a superfície da rocha para cima, criando um relevo mais elevado do que os recursos circundantes.

Montanhas Vulcânicas → São os famosos vulcões que apresentam na maioria dos casos, uma parte emersa que por sua vez parte de uma sucessão de grandes vulcões. O Havaí é a região com o maior número de vulcões. O Mauna Kea (4.205 m) é um exemplo de montanha vulcânica.

Montanhas de falhas → São formadas pela vertical criada ao longo de grandes planos de falha originando grandes massas de blocos escarpados. Esse tipo de montanha é muito comum nos Estados Unidos, como acontece na Serra da Nevada.

Montanhas dobradas → São as mais típicas e frequentes, conhecidas como dobramentos. Foram formadas pelo rápido (ironia) movimento das placas tectônicas convergentes (que se chocam), esse choque entre massas continentais ao longo do tempo unem as massas formando uma cadeia montanhosa.

A mais famosa é a cadeia de montanhas do Himalaia, situada entre o norte da Índia e do Nepal. Esta cadeia é o resultado da colisão entre o subcontinente indiano e o da Ásia há 25 milhões de anos atrás, e deu origem a montanha mais alta do mundo – o Monte Everest.

Autor: Cristian Reis Westphal
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »