Artigos

Como e quando controlar a população de pombos.

Como e quando controlar a população de pombos.

pombo comum (Columba livia), também conhecido como pombo doméstico, é uma ave que se adaptada facilmente aos centros urbanos em razão da oferta abundante de abrigo, ausência de predadores e grande quantidade de alimentos disponíveis. Contudo, a sua intensa proliferação nas cidades vem causando transtornos significativos de ordem econômica e ambiental, bem como representa riscos à saúde pública por ser vetor de doenças, levando-o à condição de praga urbana.

Segundo o Art. 5º, §1º, alínea b, da Instrução Normativa IBAMA (IN) nº 141, de 19 de dezembro de 2006, o pombo é considerado espécie sinantrópica nociva, passível de controle e manejo ambiental, medidas estas utilizadas para eliminação ou alteração de estrutura e composição dessa fauna, tais como: uso de estruturas que impeçam o abrigo e nidificação ou que desestabilizem o pouso; estímulos acústicos; emprego de aves de rapina (falcoaria); uso de refletores luminosos e objetos esvoaçantes; armadilhas de captura e realização de ações preventivas (educação ambiental).

Bando de pombos

Bando de pombos

Para tanto, o controle e manejo ambiental devem ser precedidos de declaração de nocividade emitida por órgão governamental da Área da Saúde, da Agricultura ou do Meio Ambiente. Além disso, devem ser exercidos por pessoas físicas e/ou jurídicas devidamente habilitadas perante o Órgão Ambiental competente, sem a necessidade de autorização por parte do IBAMA, desde que observada a legislação vigente nos âmbitos federal, estadual e municipal, especialmente no que se refere a maus tratos, translocação e utilização de produtos químicos devidamente registrados.

Nesse sentido, o Art. 9º da IN IBAMA é claro ao dispor que aquele que atuar sem a devida autorização ou utilizar métodos ilegais, como exemplo, o uso de arma de fogo e envenenamento, estará sujeito às penalidades previstas na Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998 e no Decreto nº 3.179, de 21 de setembro de 1999, sem prejuízos de outras penalidades civis e criminais.

Ainda nesse sentido, prevê o Art. 4º, §3º, da IN BAMA que a eliminação direta de indivíduos das espécies em questão deve ser efetuada somente quando tiverem sido esgotadas as medidas de manejo ambiental definidas no Art. 2º da referida IN BAMA.

Assim, nos casos em que for adotada a técnica de eutanásia, esta deverá ser supervisionada e/ou executada por médico veterinário e realizada com métodos e procedimentos permitidos pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária, previstos na Resolução CFMV nº 1000, de 11 de maio de 2012, sob pena de responsabilização do infrator nas esferas administrativa, civil e criminal.

Nesse contexto, conclui-se que as atividades, baseadas no controle e manejo de pombos, devem ser desenvolvidas por uma equipe multidisciplinar capacitada e habilitada que atue de forma legal, integrada e em parcerias com outros serviços, como exemplo, agricultura, meio ambiente e educação ambiental, devendo ser constantemente monitoradas pelos seus responsáveis, a fim de que seus resultados sejam duradouros, eficazes e efetivos.

Autora: Milena Rupiani Bonetto

E-mail: contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Matriz Energética

Produção de Eólica, segue crescendo no Brasil.

Roberto Mangraviti23 de outubro de 2017
Madre Tereza

“Gente do Contra “

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2017
Varejo

Varejo crescerá 1,4% em 2017.

Roberto Mangraviti21 de outubro de 2017
Boni

Boni-65 anos de brilhante trajetória televisiva

Fabio Rejaili Siqueira20 de outubro de 2017
Riso

A origem do riso

Convidado18 de outubro de 2017
acidente ambiental

Complacência MATA!

Roberto Roche17 de outubro de 2017

Desperdício “Zero” … cultura Mottainai do Japão.

Tiemi Yamashita13 de outubro de 2017

O quão grande pode se tornar um tsunami?

Cristian Reis Westphal12 de outubro de 2017
Meio Ambiente

A Importância da Conformidade Ambiental da Indústria

Roberto Roche10 de outubro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »