Artigos

Como funciona a compostagem doméstica?

Como funciona a compostagem doméstica?

É possível que algum professor seu já tenha questionado sobre a sua responsabilidade no planeta. Gerar menos resíduo e trabalhar para reciclar ao máximo o lixo que produzimos pode fazer parte desse senso de responsabilidade. Assim, veremos neste artigo como você pode fazer a compostagem doméstica.
A ideia da compostagem é gerar adubo a partir de resíduos orgânicos. Entende-se por compostagem o conjunto de métodos que levam à geração deste adubo. No processo da compostagem, conforme representado na figura, podemos visualizar um ciclo. Os alimentos orgânicos que não são consumidos na refeição são segregados em um vasilhame, que posteriormente compõem a pilha de compostagem em outro recipiente. Esse material após um determinado tempo gera o que se chama de composto orgânico, que é utilizado para fertilizar a terra, que gera novos alimentos, completando assim o ciclo.

 

Compostagem

Como fazer a sua compostagem

A primeira coisa a fazer é escolher o compostor, ou seja, o recipiente onde você fará a compostagem. Basicamente, o compostor precisa ter dois ambientes que se conversem. É possível fazer isso com baldes interligados e perfurados, ou até mesmo com dois cestos de lixo de tamanhos diferentes – um dentro do outro. Outra alternativa é comprar um compostor doméstico. Feito de plástico, o compostor doméstico é parecido com uma lata de lixo, porém com divisórias.

Os materiais necessários para a compostagem são em geral: plantas, como folhas verdes e secas e cascas de árvores, por exemplo; sobras de cozinha que sejam de origem animal ou vegetal, como sobras de comida, cascas de ovo, entre outros. Atente para não colocar na compostagem madeira envernizada e outros materiais como vidro, óleo e tinta. Quanto mais picados forem os componentes, mais rápido se dará o processo.

Depois, é só começar a montar as camadas do seu composto:

Camada 1: galhos e ramos grossos (para arejar e não compactar o composto);

Camada 2: folhas secas;

Camada 3: terra ou composto acelerador (no máximo uma mão cheia, para não compactar o composto);

Camada 4: mais folhas secas;

Camada 5: resíduos orgânicos e restos de comida;

Camada 6: mais folhas secas.

A última camada deve ser sempre de folhas secas, para evitar a proliferação de insetos e o mau cheiro. É possível acrescentar minhocas ao composto para acelerar o processo.

Autor: Cristian Reais Westphal

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Lideres

O anacronismo das lideranças

Roberto Mangraviti20 de abril de 2018
Robson Miguel

Robson Miguel em Brasília – Semana do Índio.

Bel Gimenez17 de abril de 2018
Água

Água … uma riqueza desvalorizada no Brasil

Roberto Mangraviti16 de abril de 2018
Japão trabalha para abrigar humanos na Luaem 2030

Brasil … qual o perfil da sua gente ?

Roberto Mangraviti14 de abril de 2018
The Body Shop - Testes em animais

Assinaturas para fim de testes em animais

Roberto Mangraviti13 de abril de 2018
Localoza

Negócio “limpo” – caminho da Localiza no Brasil com solar.

Roberto Mangraviti12 de abril de 2018

Bactérias e a formação do oxigênio na Terra Primitiva

Cristian Reis Westphal11 de abril de 2018
Eficiência Energética

Novas maneiras de incentivar a eficiência energética

Ricardo Rose7 de abril de 2018
Roberto

ABC Repórter destaca o nosso Portal

Bel Gimenez6 de abril de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »