Artigos

Como funcionam as roupas com proteção solar

Como funcionam as roupas com proteção solar

Estamos presenciando um dos verões mais quentes das últimas décadas. Com as altas temperaturas, é comum que muitos de nós vão à praia, curtir o mar e talvez até pegar uma cor. Mesmo que as pessoas respeitem o horário de exposição ao sol (antes das dez da manhã e após às quatro da tarde) e que usem protetor solar, é possível que saiamos da praia no final do dia queimados, principalmente na região dos ombros. É aí que entram as roupas com proteção solar.

As roupas com proteção solar foram criadas na Austrália, em meados dos anos 90. A ideia na época foi criar um tecido inteligente que pudesse bloquear os raios solares, de modo a proteger as pessoas da região, que tem a pele muito clara e, devido também a isso, sofriam com o câncer de pele.

Talvez por serem pais da ideia, é da Austrália que vem a quantificação dos fatores de proteção das roupas, mais precisamente da ARPANSA (Agência Australiana de Proteção à Radiação e Segurança Nuclear). Segundo Daniela Palharine, coordenadora de produtos profissionais da fábrica nacional Cedro Têxtil (em entrevista fornecida à UOL, em 23 de janeiro de 2015), as roupas com FPU entre 15 e 20 bloqueiam até 95,9% da radiação ultravioleta. As roupas com FPU 40 ou mais bloqueiam até 97,5%. É importante ressaltar que o uso da roupa não isenta o uso de protetor solar nas áreas descobertas.

Dependendo do tecido, o processo de beneficiamento para adquirir a proteção contra raios solares é diferente. No caso de tecidos de algodão, é necessário um banho químico após a tinturaria. Esse banho acrescenta ao tecido um aditivo fotoprotetor. Já para os tecidos sintéticos, que são os feitos com poliéster ou poliamida, por exemplo, há uma mudança nos fios que compõem o tecido. Para adquirirem a função protetora, o tecido é feito com fios à base de dióxido de titânio.

 

Autor: Cristian Reis Westpahl
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes20 de janeiro de 2018
Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »