Artigos

Compensação Ambiental: Uma Importante Aliada ao Meio Ambiente

Compensação Ambiental: Uma Importante Aliada ao Meio Ambiente

A Lei 6.938/81, que instituiu a Política Nacional do Meio Ambiente, tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar, no País, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana.

 

Para tanto, um dos instrumentos aptos a garantir essa imposição legal, em casos de perda da biodiversidade ou de áreas representativas do patrimônio cultural, histórico e arqueológico, é a compensação ambiental, prevista no Art. 36 e parágrafos, da Lei nº 9.985/2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), regulamentada pelo Decreto nº 4.340/2002, alterado pelo Decreto nº 5.566/05.

 

A compensação ambiental é um mecanismo financeiro integrante do processo de licenciamento ambiental, indispensável para as atividades potencialmente poluidoras, bem como do processo corretivo, quando da ocorrência de um dano decorrente de um empreendimento já licenciado.

 

O escopo da compensação ambiental é, portanto, a contrapartida, paga pelo empreendedor, pelos impactos ambientais significativos não mitigáveis causados ao meio ambiente, por ocasião da implantação de um empreendimento ou pela efetiva reparação de um dano específico, tal como a supressão de vegetação.

 

Essa contrapartida é fixada pelo órgão licenciador, devendo o montante ser compatível e proporcional ao grau de impacto ambiental causado, após realização de estudo em que se assegurem o contraditório e a ampla defesa, conforme determinado pelo Supremo Tribunal Federal no julgamento da ADI nº 3.378-6, de 2008.

 

Assim, dependendo do caso, a compensação ambiental pode se dar por meio de doação de mudas nativas a viveiros públicos, recuperação de áreas degradadas, através de projeto de plantio e manutenção de áreas verdes, apresentado por um responsável técnico, portador de ART, ou recursos destinados ao Fundo de Compensação Ambiental para beneficiamento de Unidades de Conservação federais, estaduais e municipais, de acordo com a esfera de competência do órgão licenciador.

 

Nesse contexto, após definida a forma de compensação ambiental para um determinado empreendimento e definida sua destinação, o empreendedor é notificado a firmar um termo de compromisso, visando ao seu cumprimento. Em contrapartida, os empreendimentos implantados antes da edição do Decreto nº 5.566/05, e em operação sem as respectivas licenças ambientais, deverão ser regularizados perante o órgão ambiental competente, mediante licença de operação corretiva ou retificadora.

 

Diante do exposto, conclui-se que a compensação ambiental é obrigação que atinge tão somente o empreendedor e é fixada com base em critérios objetivos e legais, diante de casos em que o empreendimento é considerado como de significativo impacto ambiental. Essa obrigação fundamenta-se, portanto, nos princípios do poluidor-pagador, da reparação, da precaução e da prevenção do meio ambiente, os quais, dentre outros, dão sustentáculo à legislação ambiental ao tratar de bens indisponíveis e de titularidade coletiva.

 

 

Milena Rupiani Bonetto

 

Advogada, pós-graduada em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental, Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB de Santo Amaro.
E-mail: milenarpbon@uol.com.br

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes20 de janeiro de 2018
Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »