Artigos

Conheça a apelidada “árvore da morte”

Conheça a apelidada “árvore da morte”

Embora a árvore esteja adaptada em praias turísticas, a árvore manchineel (Hippomane mancinella) tem uma “pequena” consequência em seres vivos quando se é tocado nela.

Esta árvore pode ser encontrada no Caribe, nas Bahamas, no Golfo do México, em partes do norte da América do Sul, nas Ilhas Galápagos e até mesmo no estado norte americano da Flórida. Quando o  primeiro espanhol encontrou a árvore durante a conquista das Américas, ela foi batizada como “arbol de la muerte”, que significa “árvore da morte”.

A árvore, quando tocada em sua casca, pode deixar seres vivos com queimaduras, embora a sua notoriedade e toxicidade se encontre principalmente em seus frutos. Ingerir o fruto da árvore pode causar vômitos, diarreia e convulsões.

arvore da morte1

Nicola Strickland, consultora em radiologia, escreveu sobre seu encontro com a “árvore da morte” em suas férias no Caribe, em Tobago. Depois de confundir o fruto da árvore com uma maçã, ela e seu amigo levou uma pequena mordida. Momentos depois, o gosto “apimentado” na sua boca se transformou em uma sensação de queimação e em poucos minutos eles lutaram para respirar enquanto suas vias aéreas fechavam.

Junto com isso, eles desenvolveram dor em seus pescoços, consequência causada pela toxina que havia começado a entrar em seus nódulos linfáticos. Strickland e seu amigo tiveram a sorte de viver; se especula que eles sobreviveram simplesmente porque eles comeram uma pequena quantidade do fruto.

A árvore contém muitas toxinas. No entanto, acredita-se que a maioria dos efeitos desagradáveis são provenientes do forbol, um composto orgânico que se encontra em meios vegetais. O que mais se estranha, é que praticamente todas as partes da árvore contém estas toxinas, desde sua casca até a sua seiva.

Existem histórias que as antigas tribos do Caribe usaram as toxinas da árvore como instrumento de tortura. Depois de amarrar seus nativos na árvore, as tribos esperavam a chuva chegar para que o composto tóxico pudesse ser coletado. A seiva é extremamente cheia de toxinas, sendo que o contato com a pele pode causar bolhas, ardor e irritação severa.

Autor: Cristian Reis Westphal
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Estudante de Engenharia Química. Lidera há 7 anos o projeto Ciência e Astronomia, que compartilha informações nas áreas da ciência e astronomia. Trabalha com divulgação científica em escolas e disponibiliza telescópios para observações em praças.

Mais em Artigos

Varejo

Varejo crescerá 1,4% em 2017.

Roberto Mangraviti21 de outubro de 2017
Boni

Boni-65 anos de brilhante trajetória televisiva

Fabio Rejaili Siqueira20 de outubro de 2017
Riso

A origem do riso

Convidado18 de outubro de 2017
acidente ambiental

Complacência MATA!

Roberto Roche17 de outubro de 2017

Desperdício “Zero” … cultura Mottainai do Japão.

Tiemi Yamashita13 de outubro de 2017

O quão grande pode se tornar um tsunami?

Cristian Reis Westphal12 de outubro de 2017
Meio Ambiente

A Importância da Conformidade Ambiental da Indústria

Roberto Roche10 de outubro de 2017
Cerrado

Cerrado e agricultura

Ricardo Rose6 de outubro de 2017
QSMS-RS sustentabilidade

O que a indústria espera do seu Gestor de Sustentabilidade

Roberto Roche5 de outubro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »