Artigos

Conhecendo mais sobre a MACONHA

Conhecendo mais sobre a MACONHA

Muito se fala sobre a maconha, mas poucos conhecem a fundo a sua história, efeitos e conseqüências. Como você vai ter argumentação suficiente para debater sobre o assunto com seu filho, família ou amigos se não tiver conhecimentos basilares a respeito, mas sim chavões e mitos construídos pelo senso comum? Sendo assim, antes de falarmos sobre como abordar o tema nos nossos diversos contextos sociais, precisamos saber, antes de mais nada, sobre o que estamos falando.

A maconha (cannabis sativa) é conhecida pelo homem há milênios e a primeira referência, indireta, relacionando à maconha e o Brasil, é do sec. XVI. Já foi utilizada como medicamento desde os mais remotos tempos, entretanto, no final do século XIX e início do século XX esta forma de uso começou a ter um declínio. Naturalmente que estes efeitos “descontrolados”no âmbito técnico-farmacêutico, acarretaram problemas de aspectos legais. Destarte, o uso não médico da maconha começou a ser relacionado, em vários países, à degeneração psíquica, ao crime e à marginalização do indivíduo.

maconha_2

Sabemos com clareza que a maconha, no mundo ocidental, é uma planta que contém princípios alucinógenos, que podem levar ao sério problema da dependência. Essa história de que só um “baseadinho não dá nada”, de que a maconha é uma “erva natural super relaxante”, deve ser repensada, até porque a depender da necessidade de cada indivíduo, esta droga poderá ocupar um lugar de satisfação a qual pode levar à dependência psicológica e/ou física.

No que tange aos efeitos do uso da maconha, estes vão variar de acordo com a quantidade utilizada e qualidade da composição(poucas misturas). Outros fatores a considerar sobre os efeitos possíveis são: como o cigarro de maconha é preparado e administrado. Com tragadas mais curtas e sem retenção a absorção será lenta. Já com tragadas mais longas e com retenção a absorção será mais rápida. Além disso devemos também levar em conta a sensibilidade de cada indivíduo e o estado emocional no qual este se encontra no momento do uso.

Nesse sentido, podemos classificar os efeitos em físicos e psíquicos e, dependendo do uso, em agudos ou crônicos. Físicos: secura na boca, olhos vermelhos e taquicardia. Esta última não chega a ser muito acentuada, mas pode sim prejudicar seriamente alguém que já tenha problemas cardíacos.

Como efeitos crônicos pode ser observado no homem uma baixa do hormônio testosterona (responsável pelos caracteres masculinos) resultando também em uma baixa no número de espermatozóides. Isso não quer dizer que o uso da maconha causará impotência ou diminuição da libido sexual, mas pode ocorrer um decréscimo da fertilidade. Entretanto, após a cessação continuada do uso da maconha, tal efeito se torna reversível.

Vale também destacar que o uso da maconha pode também resultar em alguns problemas respiratórios, como os que ocorrem nos dependentes de nicotina.

Por fim, os seus efeitos no usuário vão depender de como está o seu estado físico e emocional além das várias influências e pressões exercidas pelo ambiente. E sobre esse ponto falaremos no próximo artigo.

Autores: Nancy M.F.Peres , Raquel Arantes e Renan Fernandes de Oliveira

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Ver Comentários (1)

1 Comentário

  1. Bel Gimenez

    11 de novembro de 2015 às 04:55

    Agradecemos seu comentário. Destacamos que mesmo no campo terapêutico não existe consenso sobre os efeitos da utilização da maconha. Contudo nosso objetivo é destacar o possível estrago social na passagem de usuário para dependente. Importante ainda considerar que no campo “social” do comportamento humano, a maconha é utilizada associada a cocaína e ao álcool, gerando uma combinação com risco acentuado à saúde. Portanto seguimos com o nosso olhar preocupado com os resultados comprovados pelos psicólogos especialistas que assinam o artigo, mas destacando que a função deste portal é justamente esta: desenvolver um olhar holístico de 360.o ouvindo a sociedade, independente da posição.
    Muito obrigado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »