Artigos

Desenvolvimento sustentável ainda é possível?

Desenvolvimento sustentável ainda é possível?

O conceito de desenvolvimento sustentável foi definido pela primeira vez pelo Relatório Brundtland, elaborado pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, em 1987. Definia-se da seguinte maneira: “O desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades, significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e econômico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais.”

A definição do que é desenvolvimento sustentável foi sendo aprimorada, recebendo detalhamentos (quanto à melhor maneira do uso dos recursos) em diversas comissões posteriores, como Conferência das Nações Unidas sobre o Ambiente e o Desenvolvimento, a RIO 92. Segundo consenso comum, o desenvolvimento sustentável é composto por três componentes: a) A sustentabilidade ambiental, ou seja, permitir que os ecossistemas sejam conservados, permitindo que continuem prestando os serviços ambientais para o homem e as outras espécies; b) A sustentabilidade econômica, ou seja, permitir a manutenção do crescimento econômico com a incorporação de práticas de gestão mais eficientes dos recursos; e c) A sustentabilidade social, que implica a incorporação das preocupações sociais ao crescimento, propiciando melhor padrão de vida a toda a população.

De uma maneira simplificada existem três visões distintas do desenvolvimento sustentável. Primeiramente, o grupo que pensa que o crescimento deverá ser abolido, que a economia deve entrar em uma condição estacionária, na qual bens, serviços, produtos, etc., serão apenas substituídos, sem que haja qualquer aumento da produção. Dessa forma seria diminuída a dissipação de energia e perdas de insumos ao longo de todo o processo econômico. Este grupo de pensadores defende o que se convencionou chamar de economia em estado estacionário.

O outro grupo é formado por aqueles que dizem que podemos fazer o melhor possível para minorar nosso impacto sobre os recursos naturais, mas que estes, por final, acabarão. Isto significará a decadência de nossa espécie, caso não possamos desenvolver outra solução tecnológica até agora não conhecida.

Por fim, temos o grupo dos otimistas, que pensam que a tecnologia com o tempo resolverá todos os nossos problemas de energia, alimentação e ambientais, e que poderemos manter o nosso tipo de economia.

O mais provável é que tenhamos deixado de ser sustentáveis quando, há oito mil anos, começamos a regulamente a praticar a agricultura – por motivos climáticos. O alimento disponível, a caça, deslocou-se para outras regiões ou simplesmente desapareceu com a mudança do clima no final da última glaciação. A agricultura deu início ao desenvolvimento da tecnologia e com esta ao aumento da população. Um planeta que pode no máximo sustentar – de acordo com os padrões dos países desenvolvidos – dois bilhões de habitantes, está acomodando mais de sete bilhões. Desta forma, mesmo que haja um forte decrescimento da população nos próximos séculos, será pouco provável que venhamos a ser sustentáveis – a 2ª lei da termodinâmica nos impede definitivamente de sê-lo.

Ricardo Ernesto Rose,  jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental. Atua desde 1992 nos setores de meio ambiente e energia, na área de marketing de tecnologias. É diretor de meio ambiente da Câmara Brasil-Alemanha e editor do blog www.danaturezaedacultura.blogspot.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »