Artigos

Desenvolvimento Sustentável e a Responsabilidade Social – Há necessidade de ter um setor responsável?

Desenvolvimento Sustentável e a Responsabilidade Social – Há necessidade de ter um setor responsável?

Em 1955, Paul Samuelson , premio Nobel da Economia , lançava o livro “Introdução à Análise Econômica” , classificando o PNB como “ Poluição Nacional Bruta ” e destacando a necessidade de uma medida melhor , o BEL “Bem-estar Econômico Líquido”, onde a poluição oculta e custos ecológicos seriam considerados.

No início dos anos 80, a primeira ministra da Noruega , Gro Harlem Brundtland, é nomeada Chefe da Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, publicando em 1987 o relatório “ Nosso Futuro Comum (Our Common Future) que ficou conhecido como Relatório Brundtland, e que estabelece o conceito de que sustentabilidade é “ O desenvolvimento que satisfaz as necessidades presentes, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de suprir suas próprias necessidades”.

De uma forma ou de outra este processo tem permeado as relações sociais e empresariais ao longo das décadas, mas ainda sem uma estrutura que se possa estabelecer como parâmetro de desenvolvimento.

A cultura ainda não foi totalmente absorvida socialmente e a crença de que os consumidores fossem exigir das empresas essa responsabilidade se mostra pouco real uma vez que pesquisas mostram que o consumidor é favorável a ações de sustentabilidade desde que isso não exija esforços extras.

Cabe às empresas assumir não só o papel de implantar essa visão de negócios mas também ensinar o consumidor sobre a importância de adotar as praticas de preservação social e do meio ambiente.

Várias iniciativas têm sido vistas desde o desenvolvimento de produtos que reduzem o gasto de energia, do rastreamento de alimentos para que não venham de áreas desmatadas, de setores como o de iluminação que desenvolvem produtos que atendam essas demandas, empresas que procuram compensar o gasto de carbono de suas atividades e até ações que facilitem as atividades profissionais e sociais de pessoas com qualquer tipo de deficiência.

Estas iniciativas são extremamente favoráveis e tendem a aumentar não apenas pela crença de que isso é necessário para a vida do planeta mas

também porque se identificou que em geral representam um investimento que tem um retorno financeiro a médio e longo prazo.

Para potencializar as ações deve-se buscar uma integração 360º. de todos os envolvidos: fornecedores, funcionários, clientes, agentes, stakeholders, etc.

É muito importante que a empresa tenha um setor responsável pelas atividades de Sustentabilidade e Responsabilidade Social, mas é fundamental que isso seja uma preocupação que faz parte das atividades do dia a dia e dos projetos da empresa, ou seja é necessário que esteja no DNA da empresa.

Este é um processo longo que demanda da empresa uma mudança cultural e como tal deve ser estruturado envolvendo pessoas e processos.

A importância de um setor de sustentabilidade se torna visível com iniciativas pontuais e implantação de atividades específicas, mas se torna essencial no processo de implantar o conceito no DNA da empresa.

Este projeto se inicia com o firme proposito da direção da empresa e com o envolvimento de todos num plano estruturado e integrado.

Ao longo do tempo esse tema deixa de ser responsabilidade de um departamento e passa a ser parte integrante dos objetivos da empresa como o lucro e as vendas.

Nesse momento a qualidade do trabalho do setor de Sustentabilidade fez com que se tornasse dispensável, pois conseguiu seu grande objetivo, fazer com que o tema se torne parte comum de toda e qualquer atividade da empresa.

Quanto melhor o trabalho do setor de Sustentabilidade mais dispensável ele se torna!

Nos próximos artigos serão apresentados os sistemas de trabalho e ferramentas que uma empresa deve desenvolver para implantar o DNA de Sustentabilidade e Responsabilidade Social.

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017
Gestão Hospitalar

A moderna gestão hospitalar e a questão ambiental.

Roberto Roche27 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »