Artigos

“Diga-me como sua empresa andas e te direi quem és …”

“Diga-me como sua empresa andas e te direi quem és …”

Hoje a China é o dínamo da economia do mundo, sendo responsável pela metade do consumo de cimento do planeta,  35% entre carvão e aço e com possibilidades de ultrapassar o PIB dos EUA,  ainda em 2014.

Claro que isto não faz da China o maior país do planeta pelas questões de distribuição de renda, ente outras.

Os asiáticos, que absorveram grande parte da produção industrial dos EUA a partir dos anos 80, padecem de um mal crônico : questões ambientais.

Em Pequim, como em outras metrópoles daquele país, vez por outra, industrias são obrigadas a suspender suas atividades por dias consecutivos, em razão da poluição do ar muito acima de níveis permitidos, além do solo e a água apresentarem índices de contaminação alarmantes. Na capital chinesa em 2014 foram autuadas 652 empresas com U$$ 2,3 milhões de multas aplicadas.

Teria sido possível à China, dar um salto quantitativo no PIB com a mesma velocidade, respeitando o meio  ambiente?

A resposta é muito complexa, porém é nítido que os EUA fizeram uma escolha, focando a construção da riqueza em serviços e tecnologia, pois além do valor agregado, estes produtos causam reduzidos danos ao meio ambiente.

Num país democrático, estas questões ganham maior relevância,  impactando inclusive no valor das ações de empresas no índice Dow Jones.

A situação  chinesa está nos ensinado que despreocupar-se com a questão ambiental  é um equívoco que custa caro e este panorama deveria ser um alerta especial aos empresários brasileiros.

Contudo a gestão ambiental ainda não tocou no espírito do empresariado, talvez dada a pouca relevância do próprio consumidor brasileiro a estas questões, na maioria dos casos,  ou porque nenhum grande centro urbano brasileiro vive a dramática situação observada em Pequim e em outras cidades.

No campo econômico, o Brasil possuí uma renda per capita 30% superior a China, além de sermos auto suficientes em alimentos. Nossa concentração humana tampouco devasta recursos com o mesmo impacto, pois não chegamos a 20% da população daquele pais. Sendo assim vivemos uma condição menos alarmante, que nos desobriga ao crescimento médio chinês  de 2 dígitos.

Mesmo assim, algumas empresas brasileiras estão crescendo no ritmo dos asiáticos porém através de práticas sustentáveis.

Recente pesquisa da ONG – Conservação Internacional, mostrou os ganhos da Monsanto e da Natura na produção de soja e dendê aliada a proteção ambiental.

O valor ambiental total da produção ( que exclui os impactos ao ambiente e a sociedade ) mostrou-se 200% superior que na versão “business as usual” ,  ou seja sem o custo final da degradação chinesa. Logo é viável e lógico incrementarmos estas escolhas o mais rápido possível nas empresas.

Contudo empresas que buscam a sustentabilidade devem considerar três momentos diferentes nesta jornada: inovação, investimento e propagação.

A fase inicial, inovação, é uma escolha cultural, portanto precede a fase de investimento.

A segunda fase, investimento, é o momento da inserção no budget quando a questão cultural direcionou as escolhas estratégicas, especialmente no campo da tecnologia. É o momento  claramente mais difícil, quando os resultados ainda não são visíveis e se concentram no porvir. A última fase, propagação, é o momento onde a empresa colhe frutos internos (eficiência na produção) e externos (reputação na marca).

Nos casos acima citados, especialmente a Natura, navega neste mar, onde o investimento em sustentabilidade ficará ao longo do tempo, cada vez menor em relação a produção, podendo portanto acionar menos o motor investimento e utilizar mais o vento da travessia.

Sendo assim, algumas empresas brasileiras estão colhendo bons frutos ao focarem as questões econômicas e ambientais de forma convergente.

Outras contudo poderão correr o risco das empresas chinesas que enxergaram o binômio crescimento/meio ambiente de forma  divergente e terão de iniciar um processo de recuperação gradativo e custoso.

Portanto, se torna  imperioso  no campo econômico  a decisão de  como fazer a empresas crescer, no campo ambiental.

E  talvez no futuro próximo  olharemos as empresas em quadrantes comportamentais, com risco de utilizarmos uma certa tábua da moral econômico-ambiental, algo que nos induza a pensar  “Diga-me como sua empresa andas e te direi quem és” .

ROBERTO MANGRAVITI

Economista, Consultor de Sustentabilidade da ADASP-Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo, Editor do Portal Sustentahabilidade.com, Diretor e Apresentador do Programa SustentaHabilidade pela Flix-TV, Colunista do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

O sistema de defesa contra infecções - Entenda esse jogo de edição de genomas!

Você sabe o que é CRISPR-Cas9? Entenda esse jogo de edição de genomas!

LIDIANE DE SOUZA TORRES6 de novembro de 2019

Educação Ambiental

Karen P Castillioni31 de outubro de 2019

Conheça a apelidada “árvore da morte”

Cristian Reis Westphal30 de outubro de 2019

Guia Prático de cuidados com filhotes caninos.

Fernanda Lanzelotti29 de outubro de 2019

Qual a real cor do Sol?

Cristian Reis Westphal28 de outubro de 2019

Rios voadores: há muita água sobre nossas cabeças

Karen P Castillioni25 de outubro de 2019
Monte das Serras

Como fazer um controle biológico de pragas e doenças adequado?

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2019
Energia Solar

Empreendimentos utilizando energia solar

Roberto Mangraviti20 de outubro de 2019
Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Roberto Mangraviti19 de outubro de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com