Artigos

Diminuí o buraco na camada de ozônio

Diminuí o buraco na camada de ozônio

Um fato recente bastante importante, passou quase despercebido do grande público e só foi superficialmente noticiado na mídia. Trata-se da redução do buraco na camada de ozônio da atmosfera da Terra. A notícia é bastante auspiciosa e tem um grande significado para todos aqueles preocupados com o impacto das atividades econômicas sobre a natureza.

A camada de ozônio está situada na estratosfera, região da atmosfera terrestre situada entre 25 e 35 mil metros de altitude, e atua como um filtro que elimina 98% da radiação ultravioleta (UV) que vem do Sol. A UV é responsável pelo bronzeamento da pele, mas em quantidades mais concentradas causa queimaduras, catarata, altera o DNA, podendo causar câncer de pele. A cada ano são descobertos entre 2 e 3 milhões de casos de câncer de pele em todo o mundo e a quantidade vem aumentando também no Brasil. Cientistas fazem uma relação entre o crescimento dos casos desta doença com o aumento do buraco na camada de ozônio.

Os principais destruidores do ozônio presente na atmosfera são os gases CFC (clorofluorcarbonos); compostos presentes em aerossóis e na refrigeração de geladeiras, sistemas de ar condicionado, entre outros. Através da luz solar as moléculas de CFC se quebram, liberando o cloro que passa a reagir com o ozônio, eliminando seu efeito filtrante dos raios UV. Assim, com menor quantidade de ozônio presente nas altas camadas da atmosfera, a radiação chega com mais facilidade ao solo, afetando as moléculas que compõem os seres vivos. Resumidamente, substâncias químicas industriais atuando e destruindo substâncias químicas naturais. Era preciso fazer algo.

Identificado o problema os países assinaram um acordo global em 1989, denominado Protocolo de Montreal, que baniu o uso de substâncias à base de CFC em todo o mundo. Como a cadeia produtiva que utilizava o CFC em seus processos era relativamente reduzida, as ações de governos, ONGs e associações de empresas surtiram efeito com relativa rapidez na eliminação do uso do gás poluente. O efeito desta ação positiva é o que estamos começando a perceber. Estudiosa do problema no MIT (Instituto de Tecnologia de Massachussetts), Susan Solomon comentou: “A ciência ajudou mostrando o caminho, os diplomatas, os países e a indústria tiveram uma capacidade incrível de traçar uma estratégia para abandonar o uso dessas moléculas, e agora nós de fato estamos vendo que o planeta melhorou. É maravilhoso.” (Jornal Folha de São Paulo 3/7/2016).

Apesar de ainda haver uma certa confusão entre o buraco na camada de ozônio e o efeito estufa, trata-se de assuntos diferentes. O fenômeno do efeito estufa, aquecendo a atmosfera terrestre, é muito mais complexo e, infelizmente, não é causado só por algumas substâncias químicas que podem ser substituídas por outras em curto espaço de tempo. O efeito estufa é gerado pelo excesso de substâncias químicas formadas pelo elemento básico da vida, presente em quase tudo: o carbono. O processamento de duas substâncias ricas em carbono, o petróleo e o carvão, forma a base de nossa geração de energia, transportes, indústria e agricultura. Outras moléculas ricas em carbono, o metano e o dióxido de carbono (CO²), são expelidos pela maior parte dos seres vivos. Por isso, descarbonizar a economia mundial e reduzir o efeito estufa será muito mais complexo e demorado – mas pode ser possível.

Foto:http://www.ucsusa.org/global_warming/science_and_impacts/science/
Autor: Ricardo Rose

Consultor, jornalista e autor, pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Graduado e pós-graduado em filosofia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. Atualmente é consultor em inteligência de mercado no setor de sustentabilidade. É editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com). Seu site profissional é: www.ricardorose.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »