Artigos

Drogas Perturbadoras/Alucinóginas

Drogas Perturbadoras/Alucinóginas

Iremos abordar neste artigo as drogas alucinógenas, seus efeitos e consequências.

Por definição, as substâncias alucinógenas são aquelas que, ao atuarem no Sistema Nervoso Central, modificam qualitativamente a atividade do cérebro, “perturbando” a mente da pessoa. Esses fenômenos podem ser espontâneos em certas doenças mentais, principalmente nas psicoses, e é também por esta razão que essas substâncias recebem o nome de psicomiméticas (mimetizam uma psicose).

Chamam-se alucinógenas porque provocam “alucinações”, que na linguagem médica significa “percepções sem objeto”, isto é, a pessoa que está em processo de alucinação percebe coisas sem que elas existam (ouve sons imaginários, vê objetos que não existem), justificando-se portanto o nome de drogas alucinógenas, sensações acompanhadas de delírios e ilusões. Algumas dessas drogas, a natureza foi pródiga em produzir, que são conhecidas como alucinógenos naturais, e no Brasil as mais conhecidas são :

– Cogumelos – (extrai a substância )

– Lírio ( conhecido como trombeteira, zabumba ou saia branca)

– Cacto ou Peiote

– Mimosa hostilis (jurema)

– Chacrona

– Caapi

– Mescalina (  encontrado na América Central e pouco conhecido no Brasil)

– Maconha ( contém substância alucinógena THC responsável pelos efeitos alucinógenos desta planta )

Mas o homem também foi capaz de fabricar em laboratório os alucinógenos sintéticos, entre eles,  o Êxtase ( ectasy ) e o LSD – 25.

Este último, o LSD-25, é tido como a droga mais ativa e que age no cérebro humano. Também conhecido como ácido, é utilizado por via oral, ou seja é ingerido. É um líquido sem cheiro, cor ou sabor. Em geral é introduzido embaixo da língua um pedaço de papel de filtro impregnado de LSD-25, no qual se verificam vários desenhos e ilustrações. Também pode ser usado com conta-gotas, bebidas ou selo de cartas. Nas “baladas” é vendido como “selo”. Ele é tão potente que doses de 20 a 50 microgramas, já produzem alterações mentais.

As reações ao uso do LSD-25 e outros alucinógenos, vai depender de cada indivíduo e da combinação de fatores, tais como: aspectos  físico, orgânico e psicológico do usuário.

Alguns indivíduos experimentam um estado de excitação e euforia, mas com frequência podem envolver confusão mental, reações agudas de pânico ou estados psicóticos, episódios de depressão, alucinações e delírios assustadores, além de sinestesias, ou seja, sons são vistos e objetos são ouvidos.

Efeito de curto prazo.

Pupilas dilatadas, temperatura do corpo elevada, aumento do ritmo cardíaco e da tensão arterial, suores, perda do apetite, insônia, boca seca e tremores. A pessoa pode ainda ter pensamentos e sentimentos nefastos e aterrorizantes, medo de perder o controle, medo da loucura e da morte e sensações de desespero enquanto estiver  consumindo LSD.

Efeito de longo prazo.

Flashbacks, ou recorrências de uma “viagem” de LSD podem ser experimentadas muito tempo depois de a droga ter sido consumida e os seus efeitos terem aparentemente desvanecido. A “viagem” por si só, em geral começa a desaparecer depois de cerca de 12 horas, mas alguns consumidores manifestam psicose a longo prazo.

Frequentemente, surgem notícias acerca do consumo de LSD no Brasil, droga comumente utilizada por jovens de todas as classes sociais. Portanto, é comum  a polícia apreender drogas trazidas do Exterior ou dos países da América Latina.

Vale destacar que a Organização Mundial da Saúde (OMS) não reconhece o uso do LSD-25 (e de outros alucinógenos) para fins terapêuticos e proíbe totalmente sua produção, estando por conseguinte proibida a comercialização e utilização em território nacional.

Foto: http://sites.uai.com.br/

Autoras: Nancy Peres e Raquel Arantes

 

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »