Artigos

Duas boas notícias para o clima da Terra

Duas boas notícias para o clima da Terra

Duas boas notícias sobre o meio ambiente, especificamente sobre as mudanças climáticas, foram recentemente publicadas na imprensa. São parte de uma tendência que aos poucos parece se impor em todo o mundo, à medida que se torna mais conhecido o fenômeno das mudanças climáticas e suas consequências em médio e longo prazo sobre nossa civilização.

A primeira diz respeito ao aumento do uso de energias renováveis. O estado de São Paulo ocupa o segundo lugar em número de conexões de microgeração, tendo aumentado o número de pontos de 106 em 2015, para 711 em 2016 – uma expansão de 670%. No país já são 4.955 pontos de energia solar e 39 de energia eólica. A microgeração de energia distribuída é a geração de eletricidade através de uma central geradora com potência instalada menor ou igual a 100 kW, utilizando fontes de energia renovável, como fotovoltaica, eólica, biomassa, entre outras. Se até há pouco tempo a energia solar fotovoltaica era vista apenas em filmes e reportagens, atualmente ela começa a se tornar comum, incentivada pela resolução 482/2012 da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), possibilitando a autogeração de eletricidade com posterior desconto na conta de luz. O Ministério das Minas e Energia prevê que até 2024, cerca de 700 mil consumidores residenciais e comerciais deverão utilizar pequenas unidades de energia fotovoltaica.

O aumento do uso das energias renováveis é positivo para o país. A maior parte da eletricidade no Brasil é gerada a partir de fontes renováveis, como a água, o vento e a biomassa. No entanto, apesar dos reservatórios das hidrelétricas voltarem a ter água, uma parte significativa de nossa eletricidade – cerca de 8% – ainda provém das termelétricas movidas a óleo ou carvão mineral. Diminuir cada vez mais a dependência de combustíveis fósseis, emissores de gases poluentes, ajudará o país a reduzir suas emissões de gases de efeito estufa.

Outro fato positivo divulgado pela mídia é a assinatura de um acordo mundial, visando eliminar progressivamente as emissões dos HFCs (hidrofluorcarbonetos). Estes gases passaram a ser usados em sistemas de ar condicionado, refrigeradores e sistemas de refrigeração para substituir os gases CFC (clorofluorcarbonos), que destruíam a camada de ozônio da Terra. No entanto, descobriu-se que o HFC tem capacidade de captar calor 14.800 vezes superior ao dióxido de carbono (CO²), contribuindo bastante para o aquecimento da atmosfera.

Segundo o acordo, a Europa e os Estados Unidos, que dispõem das maiores quantidades de aparelhos e sistemas de refrigeração e ar condicionado, serão obrigados a reduzirem suas emissões deste gás em 10% até 2019 e 85% até 2036, tendo como base os níveis de emissão de 2001-2013. Os demais países, incluindo o Brasil, deverão começar a diminuir as emissões deste gás a partir de 2024. Segundo os cientistas, a redução do HFC na atmosfera poderá evitar o aumento de 0,5ºC na temperatura medial global até 2100.

Fatos como esses mostram que tanto local como globalmente está aumentando a conscientização em relação ao meio ambiente. Se muitas vezes, como no caso do Brasil, a motivação é econômica (a autogeração de eletricidade é mais barata), isto é um indicativo de que as tecnologias limpas tendem a tornar-se mais econômicas e deverão substituir aquelas mais poluentes.

Texto: Ricardo Rose
Consultor, jornalista e autor, com especialização em gestão ambiental e sociologia. Graduado e pós-graduado em filosofia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. Atualmente é consultor em inteligência de mercado no setor de sustentabilidade. É editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com). Seu site profissional é: www.ricardorose.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »