Artigos

E agora José ?

E agora José ?

Premiar alguém deveria significar algo definitivo, e praticamente inquestionável.

Claro que por vezes, poder-se-á premiar um grande atleta que venha batendo recordes, para em seguida descobrir que o mesmo tenha utilizado doping. Fazer o que?

Retire a premiação, simples assim, o falsário que se vire com a História.

É claro que a palavra definitivo, sempre corre algum risco, pois nada é definitivo.

Mas, teria alguém algo a dizer contra a história de Madre Teresa em defesa dos pobres? Difícil uma só voz levantar-se contra uma trajetória de  vida imensa dedicada a uma causa, com um legado absoluto, deixado para gerações vindouras.

Contudo para a José Graziano, Diretor da FAO – Foods and Agriculture Organization – das Nações Unidas, “legado” é um termo que não  necessita de 24 horas de atitudes discutíveis, para “virar “ definitivo na “história” da humanidade.

A comprovar esta tese, perdura a premiação obtusa prestada para Nicolás Maduro, presidente da Venezuela em 2015, pelo “combate a fome” naquele país, outorgada pela FAO-ONU.

Além da tragédia anunciada que a gestão de Maduro proporcionou desde o início, a premiação fere a visão nobre e inteligente da mesma ONU, como de Gro Harlem Brundtland, ex-primier da Noruega que entre 1983 e 1987 presidiu à Comissão Brundtland, da Organização das Nações Unidas, dedicada ao estudo do meio ambiente e a sua relação com o progresso.

Gro, médica dedicada a saúde pública, apresentou em 1987 a proposta de desenvolvimento sustentável, que representa “aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas necessidades”.

Ou seja, uma proposta tão objetiva de uma líder de trajetória inquestionável (até hoje) produzida no século passado, bate de frente, e violentamente, com a premiação concedida a Maduro, José Graziano.

Para piorar esta controversa premiação, iniciamos 2018 onde a mesma FAO , pede US$ 1,06 bilhão de dólares para atender 26 países durante o ano em curso, em razão de conflitos e desastres naturais.

Nada mais inadequado do que premiar um político, que no exercício da sua função, utiliza as verbas recolhidas de impostos suados com sangue de contribuintes, porque teria, eventualmente, cumprido uma mera OBRIGAÇÃO… e no mesmo diapasão, anos depois, solicitar verbas para famintos do mundo(inclusive da Venezuela).

E no caso de Nicolás Maduro, que nem sua obrigação cumpriu ( em usar corretamente as verbas entre outras), abre-se  uma brecha perigosa , pois a FAO passa a impressão que premia qualquer um que passa na porta da entidade.

Mais ainda, permite que cidadãos concluam que a entidade emprega pessoas que, ao invés de respeitar o conceito de “nações unidas” diante de compromissos mundiais, utiliza o órgão para promulgação de políticas partidárias rasteiras, como se viu na premiação da FAO .

ONU

E nesse temor desta ferida aberta pela FAO, uma entidade da ONU, cabe perguntas outras, inevitáveis.

Fiscalizar armas nucleares , está a cargo de alguém com a mesma visão de Graziano ?

Fiscalizar a devastação da Floresta Amazônica está a cargo de quem?

E o combate as drogas ?

A perseguição religiosa?

Refugiados?

Já passou da hora da ONU rever esta postura diante da Venezuela, e respeitar uma parcela do mundo que sabe ler jornais e entender o que está acontecendo no Planeta, antes de pedir US$ 1 bilhão de dólares, para o bem de uma instituição que certamente possuí gente séria.

E agora José como fica este pedido?

Diga Graziano!

 

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos do Autor:

Tratamento do Dr. Barbuto contra o Câncer ganha repercussão internacional

IDI- Índice de Desenvolvimento Inclusivo, debatido em Davos.

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Tema de Hoje: Casa Saudável

Bel Gimenez7 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »