Artigos

ECSTASY e os sérios riscos à saúde

ECSTASY e os sérios riscos à saúde

Em nosso último artigo falamos sobre as drogas alucinógenas, seus efeitos e consequências. Naquela oportunidade, destacamos o  LSD – 25, e hoje falaremos sobre o ECSTASY, também chamado erroneamente de droga do amor.

O ECSTASY foi produzido por uma indústria farmacêutica no ano de 1914 com o intuito de ser utilizado como supressor do apetite, mas sua finalidade inicial foi desviada totalmente. Nos anos 60, começou a ser utilizado por psicoterapeutas para elevar o ânimo de pacientes; e na década de 70 passou a ser consumido recreativamente, sendo disseminado principalmente entre estudantes universitários. O uso dessa droga é proibido em vários países, inclusive no Brasil.

É muito comum  pessoas acharem que o ecstasy é uma droga de fins de semana, do tipo “inofensiva” e que não vicia.  Por ser uma anfetamina, é um estimulante do sistema nervoso central, sintetizado em laboratório. Ou seja, faz com que o consumidor fique “ligado” por mais tempo do que o normal, proporcionado ao usuário executar sobrecargas de atividades, e descartando o descanso. Como não existe “mágicas“ e que naturalmente existem limites para o corpo humano, o cansaço aparece depois que a droga sai do organismo. Além do que, o uso constante desta droga, gera um efeito decrescente ao usuário, resultando que a energia surge em menor intensidade. Em vista disto, o usuário  passa a  consumir doses sempre maiores na expectativa de obter os mesmos resultados das experiências iniciais. Desta forma, este  organismo vai ficando cada vez mais tolerante à droga levando a uma “bola de neve”, e quando menos se imagina, a pessoa já virou dependente.

O usuário, experimenta a  sensação de euforia e prazer e segundo algumas pessoas que já experimentaram a droga, gera ainda  uma sensação de leveza, alegria e poder, que sabemos que por ser irreal, termina de forma frustrante ao fim do efeito químico.

O uso desse alucinógeno, pode provocar reações psíquicas variáveis e algumas pessoas podem se sentir “ recompensadas” pelos sons incomuns, cores brilhantes e pelas alucinações (“boa viagem”). Outras observam reações bastante desagradáveis, com visões terrificantes, sensação de deformação do próprio corpo, certeza de morte iminente (“má viagem”). Outras tantas ficam dançando por  5 ou 6 horas, mas por não possuírem em condições normais um preparo físico para aguentar tanta agitação, resulta que no dia seguinte apresentam febre  ou resfriados, porque obviamente a droga diminui a resistência do corpo.

Estudos realizados em humanos consumidores dessa droga, comprovam a perda da atividade serotoninérgica, que leva seu usuário a apresentar perturbações mentais e comportamentais, como dificuldade de memória, tanto verbal como visual, dificuldade de tomar decisões, ataques de pânico, depressão profunda, paranoias, alucinações, despersonalização, impulsividade, perda do autocontrole podendo levar a morte súbita por colapso cardiovascular.

O uso do ecstasy pode causar ainda lesão no fígado, que fica amolecido, além de aumentar de tamanho, com tendência a sangramentos. Dependendo do grau de toxicidade, o quadro evolui para hepatite fulminante, podendo causar a morte caso não haja um transplante de fígado.

Já para o coração, são observadas a  aceleração dos ritmos cardíacos e o aumento da pressão arterial, podendo levar à ruptura de alguns vasos sanguíneos e sangramentos.

O uso de ecstasy ligado à intensa atividade física (dançar por várias horas) pode causar aumento da temperatura corporal e consequente hemorragia interna, o que também pode levar à morte. O aumento da temperatura corporal tem alguns sintomas como desorientação, parada do sistema de transpiração, vertigens, dores de cabeça, fadiga, câimbras e desmaio.

Uma das complicações mais estranhas, no entanto, é a da intoxicação por água. Com o aumento da temperatura corporal, a ingestão de água torna-se uma necessidade. Mas, quando isso acontece de forma excessiva, a água pode começar a se acumular no organismo, uma vez que o ecstasy também dificulta a eliminação dos líquidos do corpo (aumenta a liberação do hormônio antidiurético). Dessa forma, a ingestão excessiva de água pode se tornar perigosa, inclusive fatal, pois segundo especialistas, o que ocorre é uma “pane” no sistema renal. Pois  normalmente, nosso corpo elimina água urinando, contudo por conta do efeito do ecstasy, o rim começa a mandar água de volta para a circulação, e não para a bexiga.

O apoio médico especializado é absolutamente indispensável para um tratamento eficaz e uma resposta rápida poderá salvar a vida.

Fotos:  www.telegraph.co.uk

Autoras: Nancy Peres e Raquel Arantes

dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »