Artigos

Educação Ambiental

Educação Ambiental

Vivemos hoje uma crise ambiental, decorrente de um processo histórico que colocou a sociedade humana e a natureza em lados opostos. A natureza é explorada por nossa sociedade como se fosse um recurso inesgotável, sem a preocupação e o respeito com as relações dinâmicas do equilíbrio ecológico e sua capacidade de suportar os impactos sobre ela, o que resulta nos graves problemas ambientais da atualidade. Deste modo, com os problemas causados pelo crescimento populacional, urbanização, industrialização, desmatamento, erosão, poluição atmosférica, aquecimento global, destruição da camada de ozônio, dentre outros, surgiu a necessidade de ações de educação ambiental.

A aprovação da Lei nº 9.795, de 27.4.1999 e do seu regulamento, o Decreto nº 4.281, de 25.6.2002, estabelecendo a Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA), trouxe grande esperança, especialmente para os educadores, ambientalistas e professores, pois há muito já se fazia educação ambiental, independente de haver ou não um marco legal. De acordo com o artigo 1º desta lei “Entendem-se por educação ambiental os processos por meio dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, habilidades, atitudes e competências voltadas para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e sua sustentabilidade.” e artigo 2º “A educação ambiental é um componente essencial e permanente da educação nacional, devendo estar presente, de forma articulada, em todos os níveis e modalidades do processo educativo, em caráter formal e não-formal.”

Portanto, a educação ambiental visa à conservação e preservação dos recursos naturais, abordando os aspectos econômicos, sociais, políticos, ecológicos e éticos. Esse processo é realizado por meio da conscientização sobre a problemática ambiental, a realidade global, o tipo de relações que os seres humanos estabelecem entre si e com a natureza, os problemas derivados destas relações e suas causas profundas. Além disso, desenvolvem-se no educando as habilidades e atitudes necessárias para transformação da realidade ambiental. Como diria o educador Paulo Freire “…o sonho possível tem a ver exatamente com a educação libertadora, não com a educação domesticadora, como prática utópica […]. Utópica no sentido de que é esta uma prática que vive a unicidade dialética, entre a denúncia de uma sociedade injusta e espoliadora e o anúncio do sonho possível de uma sociedade”, o que caberia aqui, a sonhada sociedade sustentável.

A história da educação ambiental conta que esta foi incluída oficialmente nas discussões dos organismos internacionais a partir da Conferência de Estocolmo, realizada em 1972. A comunidade internacional se reuniu para discutir a preservação e melhoria do meio ambiente, destacando a importância da educação ambiental.

No Brasil, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) trabalha com diretrizes e políticas públicas que promovem a educação ambiental. Com isso, as ações vão desde a formação continuada de educadores e da sociedade em geral, seja por meio de cursos presenciais ou à distância, passando pelo incentivo da sustentabilidade na agricultura familiar, pela organização de mostras de vídeos socioambientais, pela promoção de espaços educadores, por cooperações internacionais e pela produção de material socioambiental orientador.

Aquele que pratica a educação ambiental no âmbito de ensino é conhecido como Educador ambiental. O indivíduo capacitado para tal finalidade pode se tornar um educador ambiental e desenvolver trabalhos nessa área. Dentre os profissionais que trabalham com educação ambiental encontra-se o biólogo, de acordo com a Resolução CFBio nº 227/2010, que dispõe sobre a regulamentação das atividades profissionais e as áreas de atuação do Biólogo, em meio ambiente e biodiversidade. Sobre a profissão de biólogo, saiba mais em http://sustentahabilidade.com/vida-de-biologo/

Educacao Ambiental

Fonte:
http://www.mma.gov.br/  educacao-ambiental
http://biologo.com.br/bio/  educacao-ambiental

TRAJBER, R. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Brasília: Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: Unesco, 2007.

Autora: Karen P Castillioni

contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga com Mestrado em Botânica pela UNESP.Desenvolvedora de estudos ligados à ecologia, conservação, sustentabilidade e impactos das alterações climáticas.

Mais em Artigos

Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018
Locais acidentados

Visitas de autoridades aos presídios e locais acidentados.

Roberto Mangraviti9 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »