Artigos

Educação Inclusiva

Educação Inclusiva

Por “educação inclusiva” entende-se a educação de pessoas com necessidades educacionais especiais dentro da escola regular. Conforme o Plano Nacional de Educação (PNE) 2011-2020 o público-alvo da educação especial são educandos com deficiência física, intelectual, auditiva, visual, múltipla, com transtorno do desenvolvimento e com altas habilidades.

Até pouco tempo as escolas se dividiam em escolas regulares e escolas especiais, no entanto, agora o público atendido pelas escolas especiais passa a ser atendido e incorporado às escolas regulares, visando a valorização do respeito aos direitos, liberdade e diversidade humanos e garantindo o direito à educação e ao convívio social.

A Lei Brasileira de Inclusão (LBI) entrou em vigor em janeiro deste ano assegurando, no âmbito da educação escolar, a oferta de sistema educacional inclusivo em todos os níveis e modalidades de ensino. A LBI estabeleceu a adoção de um projeto pedagógico que institucionalize o atendimento educacional especializado, com fornecimento de profissionais de apoio. E ainda, proíbe as escolas particulares de cobrarem valores adicionais por esses serviços.

Essa nova política tenta reestruturar as práticas da escola de modo que estas respeitem e respondam à diversidade dos alunos, buscando ações inclusivas e sem preconceitos, na qual a inclusão e o convívio de alunos com necessidades especiais nas escolas regulares com alunos sem estas tais necessidades resulta em um aprendizado para ambas as partes com base no compartilhamento e convivência sociais mediados pelos educadores e pelas próprias relações entre os educandos.

No entanto, para a efetividade da prática da educação inclusiva é necessário o fortalecimento e o investimento na formação de professores de modo que se possam criar e colocar em prática redes de apoio para atender alunos com necessidades educacionais especiais. Essas redes de apoio seriam, por exemplo, uso de linguagem e comunicação específica para alunos com deficiência visual e auditiva, e ferramentas de mediação de estratégias para a construção do pensamento para alunos com deficiência intelectual.

A estrutura física também é importante, sendo necessário que as escolas contem com adaptações físicas para receber os alunos com deficiências físicas e com materiais pedagógicos para a participação dos alunos com necessidades educacionais especiais nos processos de aprendizagem do grupo.

As eventuais flexibilizações e adaptações curriculares elaboradas e as alternativas para a organização e avaliação do ensino para os alunos com necessidades especiais devem planejadas para que não sejam excludentes ao invés de inclusivas, visando a garantia da participação dos alunos com deficiência nestes ambientes de aprendizagem, e tão importante quanto, o seu convívio social.

Os projetos para a prática da educação inclusiva estão presentes nos projetos pedagógicos das escolas, porém durante as aulas em sala é que estes projetos tomam ação. Por isso, durante as práticas pedagógicas o professor, que não deve estar sozinho diante da responsabilidade da concretização da inclusão, precisa estar em constante reflexão e análise de suas ações, procurando os melhores meios para que os projetos se efetivem, buscando a discussão com os demais educadores e a equipe gestora da escola.

A educação é um direito de todos, e a nova educação inclusiva em construção deve pretender e proporcionar aos educandos o desenvolvimento de competências, capacidades e potencialidades.

Referências:
Alonso, D. 2013. Os desafios da educação inclusiva: foco nas redes de apoio. Revista Nova Escola.
Brasil. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). LEI Nº 13.146, DE 6 DE JULHO DE 2015.
Brasil. Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação: 2011-2020.
Foto: Paulo Pampolin <http://nutrifilhos.com/>

 

Autora: Lais Nunes
contato@sustentahabilidade.com

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga e pedagoga com mestrado em Biologia Vegetal (UNESP Rio Claro). Tem interesse nas áreas de ecologia, ecossistemas aquáticos, educação ambiental e sustentabilidade.

Mais em Artigos

Motivação_Herzberg

Teoria da Motivação de Herzberg (3).

Roberto Mangraviti23 de novembro de 2017
Bolsa Família

O Bolsa Família ocultou a taxa de desemprego real?

Roberto Mangraviti22 de novembro de 2017
QSMS-RS e Sustentabilidade

Mais líderes na gestão de QSMS-RS & Sustentabilidade

Roberto Roche20 de novembro de 2017
Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »