Artigos

Em 2019 reencontrei meus amigos “JAPA” e “ NEGÃO”

Em 2019 reencontrei meus amigos “JAPA” e “ NEGÃO”

Quando no início do século XXI, aquele papinho chato do politicamente correto estava sendo inserido, lentamente, no dia a dia, ninguém se apercebia da armadilha.

Vimos a criação de neologismos, como se estivéssemos construindo uma sociedade nova …mais correta … contudo por de trás da cortina daquele “teatro”, lá na coxia, os “atores” estavam assaltando o caixa.

Reinventaram a língua criando o termo   “afrodescendentes”,  parecendo que estavam combatendo o racismo.

Baniram o vocábulo “favela”, substituindo-o por “comunidade”, parecendo que assim,  estavam levando dignidade aos moradores de áreas controladas pelo crime.

Distribuíram dinheiro, alegando que inseriram famílias na economia criativa.

Criaram subsídios para o Ensino Superior, esquecendo-se que somente 12% das crianças tem proficiência  em língua pátria.

E o que estava ERRADO pareceu  CERTO, quase que do dia, para noite.

Criou-se um ambiente confuso, onde algo que era exceção passou a ser visto como regra, invertendo de tal forma o pensar organizado, e espalhando divisão social.

Sob a égide dos “organismos governamentais”, incentivaram esta balburdia de sentimentos.

Como exemplo, temos o E-Social recentemente implementado nas empresas do Brasil, visando organizar as estatísticas brasileiras, que  chegou a aventar  a possibilidade de existirem 17 gêneros diferentes de pessoas, até um limite de 37, para o preenchimento do “x”, onde o funcionário melhor se enquadrasse.

Tudo isso para “parecer” que estavam acolhendo o cidadão e inserido pessoas “diferentes” excluídas da sociedade, quando na verdade estavam , expondo-os e de certa forma e repartindo-os em grupos.

É claro que as sociedades vão sendo construídas com equívocos, injustiças e desrespeito, que necessitam de ajustes.

Mas os últimos anos foram “pródigos” em aumentarem os desvios da sociedade, com cenas forjadas e voltadas aos desequilíbrios.

“Atores” e atores (estes profissionais),  passaram a vociferar “verdades”, e ainda gritam suas verdades, descoladas do  pensamento técnico, o único que conduz à uma visão 360 .

Sob o manto sagrado de proteger classes, desvirtuaram o foco maior: proteger e desenvolver “pessoas” .

E quando isso passa a ser uma “regra” , retira-se a postura do cidadão do centro do problema, inserindo generalidades sociais como responsáveis pelo desvios, abraçando o conceito do vitimismo .

Após a emissão desta névoa no cenário da “peça”, está instalada a superficialidade do entendimento, que resulta obviamente em  soluções também superficiais.

Tá com fome ? Dê comida !

Tá preso ? Dê um salário para ele.

Tá com vontade de transar ? Dê camisinha ( na estação do Metrô, Alto da Boa Vista-SP-, existem caixas imensas delas) !

E por coincidência, em nenhuma das situações acima, apostar no  positivismo da alma humana e sua capacidade de dar a “volta por cima” foram empregadas como soluções possíveis.

Desenvolvimento no trabalho construtivo … amor… educação… construir exemplificando… , nada disso  compõe o cardápio de soluções, seguindo uma  linha  de comunicação ou de intenção, onde  EXPOR a ferida é fundamental… mas NUNCA ministrar o remédio necessário, pois esta não é a intenção.

Temos como exemplo de equívocos,  os debates para solução do aborto na adolescência ou das doenças sexualmente transmissíveis, mas NUNCA , JAMAIS, estão associadas as palavras “compromisso”, “amar”, “responsabilidade”… muito menos no display do Metrô, onde gratuitamente o usuário pode se abastecer.

Estão disponíveis  quantas unidades desejar, significando implicitamente, transe com quem você quiser, a hora que você quiser e no lugar que você quiser .

Ou seja, há uma comunicação subliminar, de autorização para desrespeitar os parceiro(s), com claro incentivo a misoginia, racismo, preconceito social, que juram combater criando “ministérios” disso ou daquilo em Brasília.

Investem, assim sendo,  no desequilibrar da sociedade para “parecer” que estão preocupados com as pessoas.

MAS NUNCA ESTIVERAM !

Agora, tenta-se recuperar os caminhos de uma nova jornada, com cidadãos desmotivados,  cercados de insucessos e desanimo, talhados a caírem em novas armadilhas  .

CUIDADO !

Não se deve cometer o mesmo equívoco, agora pelo lado inverso da moeda.

Branco é branco e negro é negro .

Mas a individualidade das pessoas deve ser respeitada.

Uns poderão  chamar o amigo de “negão”, porque a amizade dos envolvidos foi assim construída, em forma sinergética, permitindo esta tratativa.

Quando eu telefonar ao meu amigo Jorge de descendência nipônica, seguirei perguntando… “ fala aí Japa, tudo bem ?”.

Quando brincar com os meus amigos judeus … me darei  o direito de perguntar se vão tirar o escorpião do bolso, mas também seguirei indignado com o holocausto e as dores daquele crime contra seus familiares.

Ou ainda, quando eu quiser brincar com meu amigo cadeirante Dado, seguirei “ironizando” …  “ que moleza sentando nessa cadeira de rodas … de pijamas ao meio dia?”

Não se desenvolve uma sociedade, sem educar seu povo a  investir no lado POSITIVO das realizações  humanas, muito menos com neologismos, transformando em crimes falarmos certas palavras.

Pronunciar “fala aí negão” aos  amigos negros através da pureza da alma, é muito melhor que cuspir pela alma, aos berros “Vossa Excelência  é fascista” … num reflexo condicionado para tudo que ferir o lado obscuro da alma de algumas pessoas “progressistas”.

Carl Jung

Até porque a teoria da projeção psicológica, ou imagem refletida do espelho, foi muito bem explicada por Laurent Gounelle, onde “ as pessoas só nos devolvem refletida a forma como nós somos” .

E viva  o reencontro com a leveza e a  naturalidade das coisas, de encontramos amigos nos barzinhos ou churrascadas, e entre uma de maracujá e outra de limão,  perguntarmos “e aí  Claudio Negão, tudo beleza ?” .

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Monte das Serras

Como fazer um controle biológico de pragas e doenças adequado?

Roberto Mangraviti22 de outubro de 2019
Energia Solar

Empreendimentos utilizando energia solar

Roberto Mangraviti20 de outubro de 2019
Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Consumidor buscando marcas sustentáveis no Varejo

Roberto Mangraviti19 de outubro de 2019

Problemas com a Pressão Arterial e Estresse entenda as funções do Cortisol

Dr Leo Kahn14 de outubro de 2019
Minuto ODS - Vida Terrestre

Vídeo Minuto ODS 17 – Parcerias e Meios de Implementação –

Bel Gimenez12 de outubro de 2019
Selfie para biometria e assinatura digital

Selfie para biometria e assinatura digital

Roberto Mangraviti11 de outubro de 2019
Minuto ODS - Vida Terrestre

Vídeo Minuto ODS 16 – Paz, Justiça e Instituições Eficazes

Bel Gimenez7 de outubro de 2019
Cabines de Descanso

Cabines de descanso em rodovias brasileiras são instaladas na BR386

Roberto Mangraviti4 de outubro de 2019
Curso de Cuidadores em SP

Cursos de Cuidadores em SP – 05 Vagas Gratuitas

Roberto Mangraviti2 de outubro de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »