Artigos

Empreendedorismo e recursos naturais

Empreendedorismo e recursos naturais

Empresas em todo mundo estão realizando investimentos para diminuir o impacto ambiental de suas atividades. Recentemente um grupo de investidores institucionais, representando ativos de mais de 90 trilhões de dólares, solicitou as 5.500 maiores empresas públicas do mundo que divulguem seus dados ambientais – uso de água, emissões de CO², utilização de recursos naturais, etc., – bem como suas ações para prevenir as mudanças climáticas e proteger o meio ambiente. A iniciativa está sendo coordenada pela instituição internacional “Carbon Disclosure Project”, atuando principalmente na redução das emissões que causam as mudanças do clima.
Como esta, são inúmeras as instituições e associações empresariais já bastante avançadas na discussão e implantação de ações que visem reduzir o impacto ambiental das atividades de seus associados. Programas deste tipo ocorrem principalmente na Europa, Japão e Estados Unidos, mas ainda são muito raros no Brasil, onde se limitam principalmente às grandes indústrias multinacionais, grandes empresas brasileiras e poucas estatais.
Grande parte das empresas brasileiras, não importando o porte do negócio, ainda não tem uma visão estratégica da questão ambiental. Para a maioria dos empresários a preservação dos recursos naturais nem é cogitada ainda. E quando este tema entra em discussão, é somente para criticá-lo, referindo-se à sustentabilidade como apenas mais um empecilho, criado com o objetivo de dificultar a vida do empreendedor e trazer receitas adicionais ao governo.
A culpa desta visão não é apenas do empreendedor. Precisamos considerar que muitos – talvez a maior parte dos chefes de empresas e daqueles que detêm posições de comando nos empreendimentos – têm falhas em sua formação profissional. A sua maioria, principalmente os pequenos empreendedores, teve pouco acesso à escola e isto muitas vezes em instituições de baixo nível de ensino, longe dos centros educacionalmente mais avançados. Mesmo aqueles que passaram mais anos nos bancos escolares, não receberam as informações que somente nos últimos anos passaram a fazer parte dos currículos de poucas escolas ou universidades.
Grande parte dos empreendimentos no Brasil – extração, agricultura, indústria e comércio – ainda não encaram a sustentabilidade como fator primordial do desenvolvimento de seus negócios. Isto ainda é possível porque os próprios consumidores ainda estão mal informados sobre o assunto, enquanto órgãos controladores são despreparados. No entanto, à proporção que aumentar o nível de conscientização ambiental da população com a ajuda das instituições de ensino, das ONGs, da imprensa e das mídias sociais, crescerá também o grau de cobrança em relação a produtores e comerciantes. Esta fiscalização e pressão exercida pela sociedade civil, certamente forçará o governo – Legislativo e Executivo – a criar leis e mecanismos de controle ambiental, mais eficientes e contundentes.
Informações estão disponíveis desde já, mostrando que a proteção dos recursos não é um empecilho para o exercício do empreendedorismo, como tantas vezes empresários mal intencionados e até burocratas do governo declaram, ao contrário. O que os empreendedores esclarecidos já perceberam é que sem a preservação dos recursos naturais estes se acabam, logo depois dos últimos empresários terem desaparecido.

Ricardo Rose é consultor e jornalista, pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Graduado e pós-graduado em filosofia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias, trabalhando para instituições internacionais. É autor de quatro livros sobre meio ambiente e sustentabilidade e editor do blog “Da natureza e da cultura” (www.danaturezaedacultura.blogspot.com). Seu site profissional é: www.ricardorose.com.br

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Ricardo Ernesto Rose, jornalista, graduado em filosofia e pós-graduado em gestão ambiental e sociologia. Desde 1992 atua nos setores de meio ambiente e energia na área de marketing de tecnologias.

Mais em Artigos

São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
equipes

Equipes de Crise Corporativa

Roberto Mangraviti2 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017
Gestão Hospitalar

A moderna gestão hospitalar e a questão ambiental.

Roberto Roche27 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »