Artigos

Empresas que ainda “quebram pedras”.

Empresas que ainda “quebram pedras”.

O que vale mais, 200 toneladas de rocha ou 4 toneladas de lixo ?

Claro que a resposta depende de muitas variáveis e contextos econômicos, que vão se transformando ao longo da história da humanidade.

Que tipo de resíduos produziam os egípcios há 2.500? E hoje em dia ?

Fica difícil imaginarmos que tipo de sobras de “produção” daquela época foram geradas, porque sequer sabemos com foram feitas as pirâmides com exatidão.

Mas para produzirem aquelas maravilhas da humanidade, tiveram que remover muita pedra, gerando resíduos que não foram utilizados.

Ou seja, pedra era algo de muito valor … e mesmo nos dias de hoje ainda é, para uma mineradora, por exemplo.

Certamente 200 toneladas de rocha é uma oportunidade sem tamanho para fazer dinheiro. Será ?

Talvez menos do que se imagina …

A mineradora belga Umicore, mudou seu foco de ação e passou a ser uma “mineradora urbana”, e se deu muito bem.

Pois, para extrair 1 Kg de ouro é necessário processar 200 toneladas de rocha e isto é extremamente trabalhoso, e cada vez mais dispendioso.

Assim a citada empresa, obtém nos dias de hoje, o mesmo “quilinho” de ouro remexendo 4 toneladas de lixo eletrônico, com um custo ambiental e econômico muito menor.

Ai está claramente uma percepção de oportunidade muito bem aproveitada.

A missão da empresa não mudou, mas a “forma” de atingir os resultados é que foi ajustado, inserindo  a sustentabilidade como visão estratégica.

Por vezes nos esquecemos que transformações culturais nas empresas levam anos para serem solidificadas e tomamos decisões (ou deixamos de tomá-las) aconselhados pelos piores inimigos, entre outros, o imediatismo e o comodismo.

Estas mudanças as vezes emperram justamente pela acomodação das coisas e pouca percepção dos riscos envolvidos.

Como um exemplo relativamente recente, vale relembrar, da rapidez que as máquinas de fotocópias, foram substituídas pelas impressoras.

Não era visível que o benefício que as máquinas de fotocópia produziam, era muito maior do que “copiar” um documento, mas a eliminação de serviços internos.

Desta forma,  a “mudança de rumo” ocorreu fora da empresa Xerox e do mercado onde ela se encontrava, mas dentro de outras organizações, atraídas por estas oportunidades e que passaram a produzir impressoras.

Em algumas organizações, essas mudanças ocorrem no coração da empresa, que se reinventa, como na extração de ouro, dificultando assim a entrada de novos concorrentes.

Philip Kotler destaca que “as mudanças de comportamento, e  portanto, o impacto positivo, dificilmente ocorrem da noite para o dia”.

Mas infelizmente, em muitos casos, aquele  conselheiro inimigo que atende sobre a alcunha de “Imediatismo”, senta-se na poltrona  do Conselho Consultivo de uma empresa e passa a dar mais “pitacos” que o próprio Presidente da organização.

Este nefasto personagem por vezes está acompanhado de outros “Conselheiros” não menos inimigo, sendo um deles o “Comodismo”, que lança nas reuniões aquela visão focada simplesmente no presente blasfemando …  “este não é o nosso negócio”!

O negócio é o mesmo, o que mudou foi o “jeito” de fazer o negócio.

Vale então utilizar o seguro pragmatismo de Peter Drucker, que ensinou-nos a gerenciar performance, através da expressão “Desempenho significa concentrar recursos disponíveis onde estão os resultados”, sendo que resultado não se encontra somente no mercado em que se atua, mas nas interfaces e alternativas existentes.

E foi exatamente o que fez a mineradora belga ao substituir rocha por lixo, como insumo básico da operação.

Literalmente, quebrar pedras nas Empresas, é coisa do passado …

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »