Artigos

Equipes de Crise Corporativa

Equipes de Crise Corporativa

Empresas ao redor do mundo,  e que trabalham com produtos de risco, possuem em geral, Equipes de Crise Corporativa.

Qual a função dessas equipes?

Responder ao público externo ( e também interno) questões relacionadas a acidentes  que envolvam o nome da empresa.

A necessidade destas equipes surgiu quando, em 1989, a embarcação  Exxon Valdez, derramou óleo no Canal Príncipe Willian.

Explicações desconexas aumentaram o desastre ambiental a níveis estratosféricos.

Somente a limpeza do canal em si, custou aos cofres da companhia US$ 3 bilhões de dólares.

Contudo o “preço final” deste desastre superou US$ 12 bilhões para tentar “limpar” o nome da empresa.

Na Hora do Acidente …

O acidente da Samarco no município de Mariana, mostrou com clareza esta desarticulação.

Além de pouca ou nenhuma preparação das equipes de socorro, a desconexão das informações emoldurou o desastre anunciado.

Questões fundamentais, necessitam de repostas diretas e  objetivas :

O que a empresa deve fazer em caso de acidente?

Quem é o encarregado de resolver o problema?

Quem falará oficialmente com a imprensa?

E com os funcionários?

Segundo os autores do livro “Green to Gold” de Daniel C. Esty e Andrew S. Winston  (traduzido no Brasil sob o título “O verde que vale ouro”) , a IBM tem uma equipe para gestão destas crises,  que podem “just in case”  envolver drasticamente o nome da empresa.

Os autores destacam ainda que, este tipo de “previsão” ou busca de antecipar-se aos problemas, elevou o nível de compliance de grandes organizações, inclusive na avaliação das empresas a serem adquiridas, quanto aos possíveis riscos que são incorporados nas aquisições.

Citam como exemplo que  General Eletric  no Brasil,  evitou um drama com vidas de crianças que jogaria o nome da empresa na lama.

No momento de adquirir uma determinada empresa, os profissionais da GE que analisavam a aquisição, detectaram que havia uma creche no interior da empresa a ser adquirida.

Contudo, a mesma se encontrava demasiadamente próxima de uma área com produtos químicos, altamente inflamáveis.

E antes de se configurar a  aquisição, transferiram a creche para um ambiente seguro.

Três meses após a aquisição, o edifício sofreu um incêndio, atingindo sobremaneira a antiga área da creche, e provavelmente vidas foram salvas.

Portanto as Equipes de Crise Corporativa,  com a finalidade de minimizar os estragos, após os acidentes, acabam também por contribuir na redução dos mesmos, antes que ocorram.

Vale refletir como andam nossas empresas para o enfrentamento destes eventos.

 

Texto: Roberto Mangraviti
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos do Autor

http://sustentahabilidade.com/momentos-de-demitir-um-cliente/

http://sustentahabilidade.com/o-bolsa-familia-ocultou-a-taxa-de-desemprego-real/

 

 

Sobre o acidente em Mariana

https://pt.wikipedia.org/wiki/Rompimento_de_barragem_em_Mariana

 

 

 

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade.com pela WEBTV. Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

São Paulo

Cidade de São Paulo – TODOS são “fumantes”.

Roberto Mangraviti9 de dezembro de 2017
Leite e Qualidade

Leite: qualidade, processamento e as nomenclaturas comerciais.

Convidado8 de dezembro de 2017
Pré-História

Homem … 45 mil anos de impacto ambiental

Ricardo Rose7 de dezembro de 2017
Gestão Ambiental

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche5 de dezembro de 2017
Energia Aeólica

A Cidade de Saerbeck planejou e realizou o futuro.

Roberto Mangraviti1 de dezembro de 2017
Demitir Clientes

Momento(s) de “demitir” um cliente !

Roberto Mangraviti30 de novembro de 2017

A revolução das impressoras 3D: Impressão de pontes de aço

Cristian Reis Westphal29 de novembro de 2017
Gestão Hospitalar

A moderna gestão hospitalar e a questão ambiental.

Roberto Roche27 de novembro de 2017
políticas sociais

Políticas Sociais no Brasil: um DESASTRE econômico

Roberto Mangraviti26 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »