Artigos

Evolução de Paradigmas Econômicos e a Gestão Sustentável

Evolução de Paradigmas Econômicos e a Gestão Sustentável

Com o desastre ambiental em Mariana(MG), Barcarena (PA), problema da falta de água em São Paulo e o recorde das emissões de gases poluentes sendo noticiadas constantemente, somente  vem confirmar que a questão ambiental, um dos pilares da sustentabilidade veio para ficar em nosso dia a dia.

Mas é uma pena que ainda só se fala em meio ambiente quando acontece um desastre.

E as corporações e seus modelos de negócios?

Como fica o conselho da administração e seus acionistas assistindo a estes eventos?

Ações devem ser tomadas?

É uma questão de sobrevivência da empresa?

O mundo corporativo está mudando em relação a estas questões ambientais e isso é ótimo, iniciativas e cultura organizacionais com viés de sustentabilidade estão sendo implantadas e esperamos que no futuro as notícias sejam melhores.

O modelo econômico capitalista tradicional é eminentemente pragmático, quantitativo, com objetivo de gerar retorno financeiro aos acionistas e não leva em conta crenças e valores sociais e ambientais, senão em nível mínimo, compulsório e legal.

Este modelo é imediatista e movido pela recompensa de atendimento aos objetivos dos acionistas.

Estamos em momento de mudança de crenças e valores, tendendo para valorização dos aspectos sociais e ambientais e para a qualidade de vida no planeta e uma visão de longo prazo.

Esta mudança gera um novo paradigma, com novas teorias, e um novo modelo econômico floresce, com valorização do social e ambiental.

Estamos evoluindo do sistema econômico capitalista para um sistema mais abrangente “econômico socioambiental” integrado.

Os stakeholders (interessados) socioambientais estão chegando, e com peso.

Agora, o econômico, o social e o ambiental têm lugar comum.

A globalização é fator importante para estratégia das empresas, principalmente as brasileiras.

Empresas que não se adaptam a este contexto perdem sinergia e tendem a ficar excluídas, perdendo competitividade.

Vejamos o exemplo das empresas do mercado comum europeu com mais de 500 funcionários, que a partir deste ano terão por obrigação apresentar os relatórios de sustentabilidade.

Assim, considerações aos aspectos sociais e ambientais passam a ser tema estratégico, gerando uma nova modelagem de negócios.

Boa parte do valor da empresa é intangível e afetado pela imagem e potencial de geração de valor.

Ter uma gestão de Sustentabilidade é, atualmente, uma atividade com grande apelo.

Do confronto de uma estratégia atual com uma emergente, surge uma necessidade de um novo alinhamento de toda organização, pela inclusão de mais um fator de sucesso, além de acionistas, clientes, processo, aprendizagem e crescimento “o socioambiental”.

Uma gestão sustentável passa a ser estratégica.

A empresa que atender aos requisitos de atuação social e ambiental justa está gerando valor para os acionistas e sociedade e ao mesmo tempo evitando custos e perdas contingenciais e intangíveis, que podem comprometer a sua sustentabilidade.

Os gestores terão de se adaptar aos novos conceitos, reciclar teorias, pensar no longo prazo, pensar na sustentabilidade da empresa, que implica em gerar valor num contexto sustentável de longo prazo.

O sistema de recompensas deverá ser alterado para incentivar este alinhamento e não comprometer o empreendimento.

Novos conceitos e ferramentas deverão ser agregados para incorporar conceitos de gestão estratégica de custos e benefícios ambientais.

A empresa que não atender aos requisitos de atuação social e ambiental está incorrendo em custos contingenciais e intangíveis, que podem comprometer a sua sustentabilidade.

Muitas questões deverão ser repensadas de forma estratégica, pois quando existem mudanças, decisões em condição de incerteza, um erro na decisão pode ser fatal neste mercado tão competitivo.

 

Texto: Roberto Roche
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos do Autor

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Valor Compartilhado & Sustentabilidade

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Desenvolvedor de estratégias, nas áreas de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social com pós-doutorado na Aberdeen University (RU), MBA em Harvard (EUA), PhD em UCLA(EUA), MSc/ (EUA) e BSc /UFRJ.

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »