Artigos

Exame de sangue para detecção de câncer em estágio inicial

Exame de sangue para detecção de câncer em estágio inicial

O Desafio

O grande desafio encontrado pelos mais experientes oncologistas de todo o mundo é a identificação do câncer logo no início de seu desenvolvimento, fase esta em que os tratamentos têm mais chances de sucesso. Diversos grupos de pesquisa vêm investigando métodos de diagnóstico precoce e, apesar da complexidade dessa missão, estamos finalmente começando a obter êxito.

As Pesquisas

No início de 2018, pesquisadores americanos publicaram um estudo na Science [1], descrevendo um teste sanguíneo capaz de diagnosticar oito tipos comuns de câncer (ovário, fígado, estômago, pâncreas, esôfago, colorretal, pulmão e mama), com até 70% de precisão. O método foi denominado CancerSEEK e se baseia na detecção de proteínas e fragmentos de DNA liberados pelas células tumorais na circulação.

Ainda em 2018, cientistas do Princess Margaret Cancer Center, no Canadá, desenvolveram um protocolo que permite a detecção e a classificação de diferentes tipos de câncer ainda em estágio inicial [2]. A novidade é que esse método se baseia na identificação de alterações epigenéticas, e não em mutações ou proteínas circulantes, como a maioria dos atuais métodos em estudo.

Epigenética diz respeito às modificações estruturais que ocorrem no DNA, sem alteração da sequência de bases nitrogenadas. Em outras palavras, são alterações na conformação da fita de DNA, que não geram mutações, mas ainda sim têm potencial para alterar a expressão dos genes e, consequentemente, influenciar no fenótipo dos indivíduos. São essas alterações epigenéticas que explicam, por exemplo, algumas diferenças encontradas em gêmeos idênticos.

Diversas alterações epigenéticas estão associadas ao aparecimento e desenvolvimento tumoral, e essas alterações podem ser únicas para cada tipo de câncer. Os cientistas propuseram, então, a avaliação de padrões epigenéticos para detectar e classificar cânceres em pacientes com a doença em estágio inicial, a partir de amostras de plasma.

A vantagem desse método é que a as chances de identificação precoce são maiores do que os métodos disponíveis até o momento, já que em muitos casos os níveis de proteínas alteradas na circulação ainda não são detectáveis, ou não há o acúmulo de mutações suficientes que possam indicar a presença da doença.

Os resultados foram promissores e abrem caminho para uma nova abordagem não invasiva para o diagnóstico do câncer.

Texto: Lidiane Torres
contato@sustentahabilidade.com

Outros Textos da Autora:

Chimpanzés trocam favores e compartilham comida com seus amigos

 

Imagem: https://setorsaude.com.br

 

Referências:

[1] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29348365

[2] https://www.nature.com/articles/s41586-018-0703-0

Artigos

Bióloga, bacharel em Genética e Bioquímica, com Mestrado e Doutorado em Genética Humana pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Atualmente é pesquisadora de Pós-Doutorado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Tem experiência como professora e palestrante desde 2009, e conta com diversos artigos publicados em revistas internacionais.

Mais em Artigos

Balneabilidade das praias: bandeira verde ou vermelha?

Laís Nunes15 de agosto de 2019
O mecanismo de defesa de uma planta leva a lagarta ao canibalismo

O mecanismo de defesa de uma planta leva a lagarta ao canibalismo

Karen P Castillioni11 de agosto de 2019
Alimentos Imunológicos

Alimentos imunológicos… conheça-os

Dr Leo Kahn2 de agosto de 2019
Minuto ODS -Cidades e Comunidades Sustentáveis

Vídeo Minuto ODS 12 – Consumo e Produção Responsáveis

Bel Gimenez30 de julho de 2019
Podcast - Sua empresa deve ou não ter um departamento de sustentabilidade

Podcast – Sua empresa deve ou não, ter um Departamento de Sustentabilidade?

Roberto Mangraviti29 de julho de 2019
Hotel de Maceió estimula turismo sustentável

Hotel de Maceió estimula turismo sustentável

Roberto Mangraviti28 de julho de 2019
Presídios Sustentáveis

Presídios sustentáveis no país

Roberto Mangraviti27 de julho de 2019
Metionina - A alta concentração é um fator de risco para sua saúde

Metionina – A alta concentração é um fator de risco para sua saúde

Dr Leo Kahn26 de julho de 2019
Minuto ODS -Cidades e Comunidades Sustentáveis

Vídeo Minuto ODS 11 – Cidades e Comunidades Sustentáveis

Bel Gimenez25 de julho de 2019

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »