Artigos

Extra: Não haverá crise de água!

Extra: Não haverá crise de água!

O Diário Oficial do Estado de São Paulo, publicou no dia 19 de agosto, “situação de criticidade hídrica na região da bacia hidrográfica do Alto Tietê”. Tradução:  o rodízio, ou racionamento de água, iniciar-se-á em breve no Estado de São Paulo, e consequentemente o de energia elétrica também, já que um insumo depende do outro. Este último, o de energia elétrica, ocorrerá mais profundamente quando a indústria parar de despencar economicamente e voltar a consumir em padrões normais.  Inicialmente vale destacar que, verdadeiramente  não há crise energética, ou situação de “criticidade” hídrica, nem em São Paulo, muito menos no Brasil, em que pese a seriedade do diário oficial. O leitor leu certo sim … NÃO HÁ CRISE ! Crise, conceitualmente há quando inexiste um  produto.  O que ocorre é falta de abastecimento, porque os órgãos e ministérios que deveriam cuidar destas fontes não planejaram minimamente. Existe água doce em abundância no Brasil como em nenhum outro lugar do planeta. O mesmo ocorre também com a energia elétrica, que poderia ser produzida através de outras fontes, como sol, vento, biomassa. O problema está portanto, não na inexistência do produto, mas na incapacidade nacional em armazenar, produzir e transmitir, estas preciosidades no país.  Verdadeiramente, as duas  energias que faltam no Brasil,  atendem pelos nomes de PLANEJAMENTO e GESTÃO. Estas sim são energias raras e que estão em crise, pois não estão disponíveis na praça, e para obtê-las é necessário a combinação de vários fatores de produção inexistentes, entre outros:  empenho, competência e um olhar minimamente voltado ao futuro. Dinheiro ? Isto não é problema, pois senão vejamos. Há quantos anos há seca no Nordeste? Sabemos que historicamente, desde a época do Império, o Brasil  discute este assunto  propondo solucionar parte dele através da transposição do rio São Francisco. Mais recentemente, no governo do então General Figueiredo, quase houve uma ação concreta neste sentido,  que acabou postergada até o Governo Lula. Iniciada as obras, estavam as mesmas previstas para serem entregues em 2012 … e …  serão, segunda as últimas previsões (otimistas ?), em 2017. Logo, conclui-se, que demoramos mais de 1 século para disponibilizar o recurso financeiro  e na hora de alocá-lo corretamente, não o fizemos. Portanto, o recurso faltante, não é água ou dinheiro, mas um recurso chamado PLANEJAMENTO.

No campo da energia elétrica, o raciocínio é o mesmo. Falta recurso financeiro para produção de energia solar tida erroneamente como cara ? Não ! Falta GESTÃO ! Pois, as condições climáticas  do Nordeste brasileiro são superiores ao deserto do Saara, para produzir energia solar. Mas enquanto isto, no mesmo Nordeste, a refinaria da Petrobras, Abreu e Lima, teve o custo orçado em US$ 2,3  bilhões no início das obras. Estimativas recentes contudo, nos dão conta que custará mais de US$ 20 bilhões, portanto um “pequeno” erro de 10 vezes na previsão de gastos.  Ou seja, se o recurso encaminhado para esta usina no Nordeste, fosse encaminhado, via financiamento para iniciativa privada construir uma usina solar no mesmo nordeste, a mesma já estaria em operação há tempos. Mas, como preferimos produzir, via o mesmo financiamento, um porto em Cuba (Mariel), de fato faltará energia elétrica em muito lugares no Brasil.

Leitor não se engane, a Natureza foi pródiga em disponibilizar água e energia elétrica aos brasileiros. Portanto, não responsabilize São Pedro pelo racionamento que virá em breve, mas os gestores humanos pouco afeitos em cumprir  acordos com o Criador!

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Economista e Facility Manager em Sustentabilidade. Editor, diretor e apresentador do Programa Sustentahabilidade pela WEBTV. Palestrante, Moderador de Seminários Internacionais de Eficiência Energética, Consultor da ADASP- Associação dos Distribuidores e Atacadistas do Estado de São Paulo e colunista do site do Instituto de Engenharia de São Paulo.

Mais em Artigos

Mulher na Dependência Quimica

A vulnerabilidade da mulher e a Dependência Química – Parte 2

Dependência Química19 de janeiro de 2018
Fragilidade Humana

A fragilidade humana …”matéria prima” dos ditadores.

Roberto Mangraviti17 de janeiro de 2018
Investimento

Investimento X Resultado em Qualidade e Sustentabilidade

Roberto Roche16 de janeiro de 2018
crise economia

Consequências da crise econômica: quem vai registrá-las?

Ricardo Rose15 de janeiro de 2018
Lições de Mark Zuckerberg

Lições de Mark Zuckerberg para universitários brasileiros

Roberto Mangraviti14 de janeiro de 2018

Como aparar as asas de aves mantidas como pet

Adriana Tereza Petrocelli13 de janeiro de 2018

Conheça nossa nova Colunista: Adriana Tereza Petrocelli

Bel Gimenez13 de janeiro de 2018
O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável

O preço do cobre, os veículos elétricos e a energia renovável.

Roberto Mangraviti12 de janeiro de 2018

Desmatamento na Amazônia, é um estrago irrecuperável?

Roberto Mangraviti10 de janeiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »