Artigos

Febre Amarela: a culpa não é dos macacos.

Febre Amarela: a culpa não é dos macacos.

Recentemente, muitos casos de febre amarela eclodiram em diversas regiões do Brasil, preocupando a população com relação à sua proliferação e controle.

Apesar de a doença ser transmitida única e exclusivamente por mosquitos contaminados pelo vírus dos gêneros Sabethes e Haemagogus, comuns em locais de matas, e que não é contagiosa, muitas pessoas, por desconhecimento, vêm atribuindo a culpa aos macacos pela sua propagação.

Assim como os seres humanos, esses primatas também são vítimas da doença e não transmissores. Eles adoecem e/ou morrem quando infectados pelo vírus, servindo como indicadores das áreas afetadas pelo mosquito transmissor.

Infelizmente, a proliferação da doença transformou os macacos em vítimas também dos seres humanos. Diversos casos de mortes cruéis de primatas por pauladas e envenenamento vêm sendo noticiados pela imprensa, sendo que muitos deles pertencem às espécies sagui, bugio e prego, todas ameaçadas de extinção.

Portanto, matar esses animais silvestres, além de ser considerado crime ambiental, tipificado na Lei Federal n° 9.605/98, cuja pena pode chegar a um ano de prisão e pagamento de multa, prejudica imensamente o trabalho dos órgãos da Saúde Pública no que tange à prevenção e controle da doença.

Assim, quando um macaco for encontrado doente ou morto, importante entrar imediatamente em contato com a Vigilância Epidemiológica Municipal ou o Grupo de Vigilância Epidemiológica (GVE)

Em contrapartida, quando um macaco for encontrado vivo e sadio, deve-se comunicar a Polícia Militar Ambiental local. Já para os macacos mantidos em cativeiro, a orientação é não soltá-los sem autorização prévia do órgão ambiental competente, pois a soltura desses animais silvestres é considerada crime ambiental previsto no Artigo 31, da Lei Federal supracitada.

Diante desse cenário, conclui-se que os macacos vêm colaborando para que os órgãos da Saúde Pública possam agir na prevenção e controle da doença, não sendo eles os inimigos da população, mas seus aliados na guerra contra a febre amarela.

Texto: Milena Rupiani Bonetto
contato@sustentahabilidade.com

 

Outros Textos da Autora:

INDENTIPET … o registro de animais em cartórios

Abandono de animais domésticos, especialmente nas férias.

 

 

 

 

 

 

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos

Advogada, Pós-graduada em Negócios, Comércio e Operações Internacionais pela FIA/USP e em Perícia, Auditoria e Gestão Ambiental. Master in International Management pelo Institut d’Administration des Entreprises (IAE). Membro das Comissões de Direito Ambiental e de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB-SP

Mais em Artigos

Queimadas 2017

Queimadas 2017

Roberto Mangraviti18 de fevereiro de 2018
Upp's no Rio de Janeiro

As UPP’S do Rio de Janeiro… uma farsa para “ inglês ver”.

Roberto Mangraviti17 de fevereiro de 2018
Energia de gás natural e biomassa

Energia de gás natural e biomassa

Bel Gimenez16 de fevereiro de 2018
Humburger

Alimentos feitos de insetos, uma realidade de mercado.

Roberto Mangraviti14 de fevereiro de 2018
A Mordida da Centopéia

A mordida da centopéia

Karen P Castillioni13 de fevereiro de 2018
Nicolas Maduro

E agora José ?

Roberto Mangraviti12 de fevereiro de 2018
Empório Mata Atlântica

Empório Mata Atlântica com picolés de Uvaia e Juçara.

Bel Gimenez11 de fevereiro de 2018
Plásticos no Mar

Como o plástico está prejudicando recifes de corais?

Karen P Castillioni9 de fevereiro de 2018
O capital

Melhora ou estagnação?

Ricardo Rose8 de fevereiro de 2018

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »