Artigos

Filosofia da Educação, o “Ser Professor” e o Movimento “Escola Sem Partido”

Filosofia da Educação, o “Ser Professor” e o Movimento “Escola Sem Partido”

A educação é uma prática social que busca formar seres humanos-indivíduos-cidadãos com conhecimento-reflexão-questionamento para a compreensão dos fenômenos sociais e suas dimensões. Neste contexto, a filosofia da educação compreende a preocupação com os processos e sistemas educativos relacionados ao funcionamento da sociedade, buscando a educação através de práticas racionais e livres.

Os filósofos gregos, com Platão, deram início às discussões sobre filosofia da educação a partir da busca pela compreensão e conhecimento da realidade. A filosofia atual é carregada de investigação sobre as questões sociais: cultura científica, culturas humanase cultura de massa e as formas de poder, dominação e organização da sociedade.

Nestas questões e em outros aspectos da problemática educacional a abordagem filosófica se torna necessária para se pensar sobrea produção de conhecimento, do sujeito da educação e dos valores e objetivos da educação.

Segundo a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), a atividade de educação escolar tem participação na potencialização das capacidades, na realização pessoal, na qualidade de vida, na participação política e na inclusão do educando. O professor enquanto educador escolar deve ser movido pelo pensamento crítico e pelo desejo de transformação socio-educacional. Sua prática pedagógica deve levar o educando à uma busca deconsciência crítica de ser livre, deve proporcionar ao educando meios e reflexões e de internalização de experiências, significados e sentidos para a compreensão do mundo.

A prática pedagógica é um ato político que, em seu sentido superior,aspira ao bem comum a partir da reflexão sobre a liberdade dos homens. Para Paulo Freire, uma pedagogia libertadora consiste em uma educação voltada para a conscientização da opressão e a consequente ação transformadora, despertando no educando sua criticidade e sua atitude diante da sua realidade.

O movimento “Escola Sem Partido”(projetos de lei que tramitam na Câmara e Senado Federal) pretende especificar os limites de atuação do professor e elaboração de listas de seus “deveres”, não permitindo que professores transmitam aos estudantes qualquer tipo de posicionamento, seja político, ideológico ou religioso, e de certa forma não permitindo que discutam assuntos do cotidiano.Com esse discurso deneutralidade na educação escolar o movimento tenta transformar o professor de ‘educador’ para ‘transmissor do conhecimento’sem autonomia e liberdade de expressão, e transformar o estudante de ‘questionador’ para ‘absorvedor de conteúdo’.

Segundo a doutora em educação e pesquisadora da Fundação Carlos Chagas Sandra Unbehaum apesar do discurso de neutralidade, o “Escola Sem Partido” defende uma escola sem espaço para discussão da cidadania, garantia estabelecida na LDB. “Como é que se desenvolve um pensamento crítico se não discutindo política, filosofia, sociologia, história? Você não vai discutir política partidária, mas vai discutir num sentido amplo, de organização e composição da sociedade”, argumenta. Escola sem pensamento crítico não é escola. A escola precisa ser democrática, inclusiva, livre de preconceitos, com diversidade e pluralidade de ideias, aberta ao debate.

Referências
Almeida, A.M.F. &Martins, H.H.T.S. 2008. Sociologia da educação. Tempo Social, 20 (1).
Brasil, LDB. Lei n° 9.394/1996 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

Foucault, M. 1977. Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes.

Freire, P. 1980. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Editora Moraes.

Freire, P. 1981. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra. 10ª edição.

Ghiraldelli, P. 2000. Filosofia da Educação. Rio de Janeiro: DP&A.

G1 Educação

Severino, A. J. 1990. A contribuição da filosofia para a educação.
UOL Educação
Viero, C.P., Trevisan, A.L. &Conte, E. 2004. Filosofia da educação a partir do diálogo contemporâneo entre analíticos e continentais. Abstracta, 1(1).

 

Texto: Laís Numes

Clique para adicionar um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.

Artigos

Bióloga e pedagoga com mestrado em Biologia Vegetal (UNESP Rio Claro). Tem interesse nas áreas de ecologia, ecossistemas aquáticos, educação ambiental e sustentabilidade.

Mais em Artigos

Motivação

Teoria da Motivação de McClelland(2)

Roberto Mangraviti17 de novembro de 2017
Infraestrutura

Infraestrutura no Brasil – Concessionárias as únicas com bons resultados( Parte 3)

Roberto Mangraviti16 de novembro de 2017
Gestão Ambiental Portuária

Gestão Ambiental portuária, Ônus ou Oportunidade?

Roberto Roche14 de novembro de 2017

Motivação na ótica de Maslow

Roberto Mangraviti13 de novembro de 2017
Adam Smith

Lições para o Brasil – Adam Smith

Roberto Mangraviti12 de novembro de 2017
Animal Pré-histórico

Animais que “deram as caras” depois da extinção dos dinossauros

Karen P Castillioni11 de novembro de 2017
quando o medicamento vira droga

Quando o analgésico mata

Dependência Química9 de novembro de 2017

Infraestrutura – Brasil no descompasso internacional (2)

Roberto Mangraviti8 de novembro de 2017
Políticos Ranking

Dica de Hoje: site faz “Ranking” de políticos.

Roberto Mangraviti7 de novembro de 2017

Quis autem vel eum iure reprehenderit qui in ea voluptate velit esse quam nihil molestiae consequatur, vel illum qui dolorem?

Temporibus autem quibusdam et aut officiis debitis aut rerum necessitatibus saepe eveniet.

Copyright © 2015 Sustentahabilidade - Todos os direitos reservados.
Os artigos publicados neste Portal, são de responsabilidade exclusiva de seus respectivos autores. Para mais informações: contato@sustentahabilidade.com

Outros emails específicos: classificados@sustentahabilidade.com dependenciaquimica@sustentahabilidade.com

Translate »